O ex-presidente da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, Aires Ferreira, e a sua mulher, Alice Brito, quiseram morrer juntos. Ambos sofriam de doenças graves e esse terá sido o principal motivo que os levou a esta opção. Os dois deixaram cartas a explicar o sucedido, avançam vários órgãos de comunicação social.

Aires Ferreira e Alice Brito foram encontrados mortos, terça-feira de manhã, em casa da mulher. Estavam separados há quatro anos, mas tinham-se aproximado recentemente. O ex-autarca deixou uma carta à sua empregada, dizendo-lhe para esta se dirigir à casa de Alice, acompanhada pela GNR. Foi assim que os corpos foram descobertos.

Segundo o «Público», os dois estavam na cozinha. Ela deitada no chão, com um tiro na nuca, e ele sentado numa cadeira, com a arma pousada à sua frente. A arma era sua. Estava, devidamente legalizada, na sua posse há vários anos.

Aires Ferreira deixou, também, escritas diversas indicações como, por exemplo, como deveria ser o seu funeral ou o destino a dar ao seu carro. Também a mulher terá feito o mesmo em relação à sua roupa.

Para as autoridades, após a recolha dos primeiros indícios, tudo indica que se esteja perante um caso de homicídio seguido de suicídio, mas a Polícia Judiciária vai prosseguir com a investigação do crime.

Aires Ferreira, do PS, deixou a autarquia após as eleições de setembro, depois de sete mandatos consecutivos. De acordo com o presidente da federação distrital do PS de Bragança, Jorge Gomes, este era «um grande militante do PS».