O INEM socorreu 158 pessoas, 20 das quais foram conduzidas ao hospital, no decorrer dos dois dias da Red Bull Air Race, que terminou este domingo no Porto, disse à Lusa, o diretor regional do Norte do instituto, António Táboas.

Seiscentas mil pessoas assistiram ao segundo dia de provas, contra 250 mil no sábado, e era provável um aumento número de ocorrências médicas por insolação.

O facto de a temperatura ter baixado diminuiu o número de casos", explicou o responsável do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Tal como no primeiro dia, este domingo voltou a ser conduzida ao hospital uma pessoa que sofreu uma queda, "noutro caso grave, mas sem risco de vida", acrescentou António Táboas.

O comandante operacional distrital de operações de socorro do Porto, Rodrigues Alves, informou que dez entidades estiveram envolvidas no esquema de segurança montado para o período em que decorreu o evento, num total de 1.049 efetivos e 281 veículos.

800 mil nas margens do Douro

A Red Bull Air Race anunciou que 850.000 pessoas assistiram aos dois dias da competição que decorre no circuito do rio Douro, depois deste domingo terem comparecido nas margens do Porto e Vila Nova de Gaia, 600 mil espetadores.

Depois de no sábado o registo de 250 mil ter representado um recorde num só dia da prova de acrobacia de aviões, os 850 mil contabilizados superam, segundo a organização, o número total das cinco etapas anteriores da edição deste ano, realizadas noutros locais fora de Portugal.

A etapa do Douro é a sexta de 2017.

Distribuída por duas classes, a Challenger Class e a Master Class, a prova esteve em risco de ser interrompida ao início da tarde devido ao nevoeiro, que, surgindo da costa, se aproximou dos pórticos que compõem o circuito pelo qual os pilotos têm de voar.

Contudo, minutos depois, a ameaça foi afastada e os aviões voltaram a competir.

A prova, que decorreu num circuito desenhado no rio Douro (no Porto e em Vila Nova de Gaia), terminou com a vitória do piloto checo Martin Sonka, na Master Class, enquanto o norte-americano Kevin Coleman foi o mais rápido na Challenger Class.

Segundo a organização, o recorde de assistência no Porto é de um milhão de espetadores, alcançado em 2008, numa edição em que no primeiro dia acorreram às duas margens 200 mil pessoas.