O Tribunal de Aveiro começou hoje a julgar um homem de 39 anos que tentou assaltar duas instalações industriais em Águeda, para furtar metais não preciosos, tendo levado um filho menor de apenas 15 anos para um dos assaltos.

Um sobrinho do arguido, de 23 anos, também é arguido no mesmo processo por ter alegadamente participado num dos assaltos.

Os dois arguidos, que se remeteram ao silêncio na primeira sessão do julgamento, estão acusados de crimes de furto qualificado na forma tentada e o mais velho, que se encontra em prisão preventiva, responde ainda por um crime de dano.

O Tribunal ouviu um militar da GNR que participou nas investigações, que disse que os arguidos eram “metódicos”.

Eles estudavam a empresa durante o dia e à noite iam efetuar os furtos. Atuavam aos fins de semana quando as empresas não estavam a laborar”, disse.

O militar assinalou ainda que naquela altura havia queixas recorrentes de assaltos a empresas, adiantando que depois que os indivíduos foram detidos os furtos pararam.

De acordo com a acusação do Ministério Público, os dois arguidos dedicavam-se à prática de assaltos a armazéns de empresas para furtar latão ou outros metais não preciosos, que vendiam depois a sucateiros.

A dupla seria apanhada pela GNR em agosto do ano passado a tentar assaltar as instalações de uma empresa de ferragens.

Poucos meses antes, o arguido mais velho já tinha sido detido pela GNR quando tentava assaltar uma outra empresa em Águeda.

Em ambas as situações os arguidos não conseguiram apropriar-se de nada.