A PSP da Figueira da Foz identificou no período de 24 horas oito alegados agressores do jovem que aparece num vídeo, divulgado na terça-feira, a ser agredido por duas raparigas, naquela cidade.

Destes oito, quatro são maiores de 16 anos e serão alvo de procedimento criminal, enquanto os restantes, menores de 16 anos, verão os processos a correr no tribunal de Família e Menores, disse à agência Lusa fonte policial.

A mesma fonte disse à Lusa que os alegados agressores maiores de 16 anos estão indiciados dos crimes de sequestro e ofensa à integridade física, entre outros.

De acordo com a mesma fonte, a principal suspeita tem 15 anos, e a outra rapariga e um rapaz que também aparecem como agressores no vídeo já são maiores de 16 anos.

Na terça-feira à noite, na sequência da divulgação do vídeo no Facebook, pelo menos dois progenitores de duas das envolvidas no vídeo deslocaram-se voluntariamente à PSP para denunciar os factos.

O pai de uma das jovens filmadas manifestou-se "chocado" com o que viu e espera que o caso sirva de lição à filha, garantindo que esta está arrependida. 

Os pais e o agredido estiveram esta quarta-feira nas instalações da PSP, onde formalizaram o procedimento criminal.

O Ministério Público (MP) abriu um inquérito tutelar educativo aos alegados agressores menores de 16 anos no caso ocorrido na Figueira da Foz e, quanto aos maiores de 16 anos, está a investigar as agressões e divulgação das imagens.

A Procuradoria-Geral da República adiantou à agência Lusa que "existe um inquérito tutelar educativo no Ministério Público da Figueira da Foz", quanto aos agressores menores de 16 anos, e que "foi também apresentada no Ministério Público, do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) da Comarca de Coimbra, uma participação, relativamente aos maiores de 16 anos, pelas agressões e pela divulgação das imagens, encontrando-se a mesma "em investigação".

O esclarecimento da PGR surge após a divulgação de um vídeo que mostra duas adolescentes a agredirem um rapaz, na Figueira da Foz, durante cerca de 13 minutos, perante a passividade de outros jovens.

O vídeo já foi visualizado por quase dois milhões de pessoas, cerca de 24 horas após a sua divulgação, e suscitou centenas de insultos e comentários de repúdio.

O vídeo, divulgado ao final da tarde de terça-feira na rede social Facebook, tornou-se viral na internet e muitas pessoas reclamaram a intervenção das autoridades judiciais, PSP e Comissão de Proteção de Crianças e Jovens.

Entretanto, a presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) da Figueira da Foz disse que esta entidade vai averiguar os acontecimentos.