Afeganistão: militar português com meningite será retirado

Vai para uma base militar na Alemanha para ser reavalidado clinicamente

Por: tvi24 / SM    |   16 de Abril de 2012 às 20:42
Um militar do contingente português no Afeganistão, com meningite, vai ser retirado esta noite (madrugada em Cabul) da base aérea americana de Bagram para uma base militar na Alemanha, confirmou à Agência Lusa fonte do EMGFA.

«O militar está numa situação estável e normal, tendo em conta o quadro clínico nestes casos. Foi transferido de Cabul para a base de Bagram e ao final desta noite será transportado para Ramstein, na Alemanha, onde chegará amanhã de manhã [terça-feira], horas de Lisboa, para ser reavaliado», explicou à Lusa o Relações Públicas do Estado Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

O comandante Ramos Oliveira acrescentou que, caso a reavaliação feita ao militar dos quadros do Exército, na casa dos 40 anos, seja positiva e o mesmo reúna as condições para viajar, será ativado, ainda durante o dia de terça-feira, um avião Falcon-50 da Força Aérea Portuguesa para realizar a evacuação médica da Alemanha para Portugal.

Atualmente estão no teatro de operações do Afeganistão cerca de 282 militares portugueses, dos três ramos das Forças Armadas e da GNR, fruto da sobreposição e do momento de rotação da força.

A partir do próximo fim-de-semana o contingente ficará reduzido a 130 elementos, com o regresso dos restantes militares a Portugal, os quais foram rendidos pelos 139 que rumaram a Cabul na terça-feira, 10 de abril.

O contingente deverá permanecer em território afegão até outubro e tem como principal missão assessorar as forças de segurança locais, principalmente na área da formação.
PUB
EM BAIXO: MNE com os militares
MNE com os militares

COMENTÁRIOS

PUB
Grécia pode receber créditos de emergência para evitar "crise humanitária"

Presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, admite conceder créditos de emergência ao país helénico como medida de transição. Schulz diz que Alexis Tsipras conduziu os gregos a um beco sem saída, mas que a população "não tem culpa disso". Na véspera da realização do referendo que pode ditar o futuro da Grécia, o clima de tensão mantém-se. O ministro das Finanças alemão admite que os gregos poderão estar a escolher entre o euro e o dracma. Já Yanis Varoufakis diz que o que a Europa está a fazer à Grécia é "terrorismo"