logotipo tvi24

Advogados: estudantes culpam Ordem por chumbos

Alunos acusam Marinho Pinto de querer impedir o acesso à profissão

Por: Redacção / CP    |   2012-04-09 20:23

A associação que representa os estudantes de Direito da Universidade Católica responsabiliza a Ordem dos Advogados e o seu bastonário pela elevada taxa de reprovações nos candidatos à profissão, que atingiu este ano os 59 por cento.

«O programa, os formadores, os exames e os critérios de avaliação são da inteira responsabilidade da Ordem dos Advogados», acusa, em comunicado, o presidente da Associação Académica de Direito da Universidade Católica Portuguesa, Diogo Teixeira.

Dos 885 licenciados em Direito que concluíram os dois anos de estágio, apenas 367 conseguiram nota que lhes permite exercer a advocacia, noticia o jornal «Correio da Manhã».

«A Ordem dos Advogados disponibiliza um curso de estágio cujo preço aumentou drasticamente. Em troca, os estagiários recebem dois anos de formação que pouco acrescenta à sua licenciatura e cuja avaliação é baseada em critérios que envergonham o ensino e que só servem para uma coisa: chumbar para impedir o acesso à profissão», aponta o dirigente estudantil.

Diogo Teixeira recorda que o bastonário Marinho Pinto afirmou anteriormente que a Ordem «não vai vender cédulas profissionais como aconteceu no passado», questionando se o dirigente da classe já tomou medidas para «garantir que os advogados em exercício estão a exercer pelo mérito e não por terem comprado cédulas profissionais».

Partilhar
EM BAIXO: Marinho Pinto
Marinho Pinto

Presos incendeiam colchões
Aconteceu na cadeia de Paços de Ferreira durante a visita da presidente da Assembleia da República
Adesão total na greve a horas extras de assistentes na Urgência de Aveiro
Paralisação começou à meia-noite
Filmou e tirou fotos a português antes de matá-lo
João Esteves foi morto em Londres, quatro dias depois de chegar à capital britânica em busca de emprego
EM MANCHETE
Avião despenha-se em Taiwan
Aparelho falha aterragem de emergência e despenha-se numa zona residencial causando pelo menos 47 mortos
CPLP: Portugal «surpreendido» por «incidência protocolar»
Segurança Social devolveu 39 milhões de cortes