O Ministério Público revelou esta quinta-feira que está em curso um inquérito relacionado com o surto de legionella no concelho de Vila Franca de Xira.

Em resposta à agência Lusa, a Procuradoria-Geral da República precisou que o inquérito «corre termos no DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal) da Comarca de Lisboa Norte-Vila Franca de Xira».

Recorde-se que foram encontrados vestígios de legionella na empresa Adubos de Portugal. O Ministro o Ambiente, Jorge Moreira da Silva, anunciou, na terça-feira, que o foco de legionella está relacionado com as torres de refrigeração dessa empresa, que fica situada no Forte da Casa, Vila Franca de Xira. «Estamos perante a possibilidade de um crime ambiental por libertação de microrganismos para o meio ambiente», afirmou.

Até ao momento, há sete mortes confirmadas por legionella, segundo as últimas informações da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. 

Na região da grande Lisboa, registaram-se 12 novos casos nas últimas 24 horas, «continuando a tendência de diminuição de novos casos que acompanha a evolução dos últimos dias». 

Desde que o surto começou, em Vila Franca de Xira, há 303 doentes diagnosticados até ao momento, com 48 ainda internadas em Unidades de Cuidados Intensivos. 

Entretanto, 19 doentes já tiveram alta clínica dos hospitais em que se encontravam internados.