O diretor da escola secundária Joaquim de Carvalho, onde estuda o jovem alvo de agressões por parte de colegas, afirmou-se esta quarta-feira "chocado" com o vídeo e disponibilizou apoio psicológico ao estudante.

"Vi dois, três minutos, do vídeo. Não consegui ver mais, fiquei extremamente chocado com o que vi", disse aos jornalistas Carlos Santos.


O diretor do estabelecimento de ensino manifestou-se ainda "preocupado" com as consequências que este caso poderá ter sobre o jovem de 17 anos, aluno finalista de um curso profissional, tendo disponibilizado apoio psicológico ao rapaz.

Um vídeo que mostra duas adolescentes a agredir um rapaz, na Figueira da Foz, ao longo de 13 minutos e perante a passividade de outros jovens, foi divulgado na rede social Facebook ao final da tarde de terça-feira e tornou-se viral, registando, pelas 14.30 de hoje, mais de 1,5 milhões de visualizações e 50 mil partilhas.

As imagens, captadas pelos envolvidos no verão de 2014, durante as férias escolares, numa rua da cidade, junto a um edifício residencial da zona turística do chamado Bairro Novo, estão a suscitar centenas de insultos aos agressores e comentários de repúdio.

A PSP anunciou hoje a abertura de uma investigação, em colaboração com o Ministério Público, adiantando que os pais do jovem agredido formalizaram hoje um procedimento criminal junto das entidades policiais. A PSP reforçou, entretanto, a segurança junto de estabelecimentos de ensino da Figueira da Foz na sequência de várias ameaças dirigidas aos agressores nas redes sociais.

Também a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens da Figueira da Foz disse que foi aberto um processo de averiguação na sequência da divulgação do vídeo e de várias denúncias que chegaram àquele serviço.

A página de apoio ao jovem agredido, uma comunidade também criada no Facebook, contava ao início da tarde de hoje com quase 5 mil apoiantes.

Os envolvidos nas agressões, alunos de vários estabelecimentos de ensino da Figueira da Foz, distrito de Coimbra, foram, na sequência da divulgação do vídeo, quase de imediato identificados no Facebook e alvo de insultos. Parte deles apagou as suas páginas nesta rede social.