A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL) informou, esta quinta-feira, que o Ministério Público acusou um homem de ter matado um taxista no concelho de Oeiras, em novembro de 2015, e de ter transportado o corpo até Valongo, distrito do Porto.

Numa nota publicada na página da internet, a PGDL conta que o arguido, a 7 de novembro, na zona de Tercena/Barcarena, “desferiu, com uma faca de cozinha, diversos golpes no corpo do taxista, os quais lhe provocaram a morte”.

Depois, segundo o Ministério Público (MP), o suspeito colocou o corpo da vítima na bagageira do táxi – onde o manteve oculto - e conduziu a viatura até junto da sua residência.

No dia seguinte, o arguido transportou o corpo no veículo, ao qual alterou as chapas de matrícula, até junto do supermercado ‘Intermarché’ de Valongo, onde veio a ser detido por agentes policiais, na sequência do furto de uma vela aromática naquele estabelecimento”, relata a PGDL.

O homem está acusado de homicídio qualificado, ocultação de cadáver, furto qualificado e falsificação de documento. O arguido encontra-se em prisão preventiva ao abrigo do processo, desde 9 de novembro de 2015.

Aquando do crime, a PSP disse à agência Lusa que a investigação suspeitava que o detido teria esfaqueado mortalmente o taxista, com cerca de 60 anos, tendo depois colocado o corpo na bagageira do táxi da vítima e conduzido a viatura até ao norte do país, onde acabaria detido no parque de estacionamento de um supermercado, em Valongo.

O detido, de 34 anos, foi intercetado pela PSP na sequência de um furto. Havia indicações de que, antes, já teria feito outro furto noutra loja. Quando a polícia se deslocou ao carro para ver se encontrava a mercadoria furtada, sentiu o mau cheiro. No interior da mala foi encontrado um cadáver", descreveu a polícia, a 8 de novembro de 2015, dia da detenção.