A Organização Mundial de Saúde felicitou, esta sexta-feira, o Governo português pelos esforços na promoção da alimentação saudável. O elogio refere-se, nomeadamente, a restrições ao consumo de açúcar, que tornam o país um dos líderes europeus na área da nutrição e saúde.

Numa carta enviada ao secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, a diretora da OMS para a Europa, Zsuzsanna Jakab, refere-se concretamente à Estratégia Integrada para a Promoção da Alimentação Saudável (EIPAS), publicada em Diário da República a 29 de dezembro e que quer reduzir o consumo de sal, restringir determinadas vendas e incentivar outras mais saudáveis.

Dietas pouco saudáveis são responsáveis por uma parcela importante de mortes e doenças cardiovasculares, diabetes e cancro. E também afetam negativamente a qualidade de vida nos últimos 10 anos de vida”.

A propósito das restrições de venda de alimentos nas máquinas automáticas, prevista na EIPAS, Zsuzsanna Jakab diz na carta que os alimentos disponíveis em locais como creches, escolas, hospitais e instituições públicas “afetam fortemente os padrões de consumo”.

No documento, a responsável lembra iniciativas dos governos europeus para melhorar o “ambiente alimentar”, atuando na alimentação para crianças, rotulagem, incentivos à alimentação saudável e tributação de sal, açúcar e gorduras.

Nos últimos anos, nas palavras da diretora da OMS, houve grandes progressos na Europa em áreas como a alimentação escolar, mudanças nos produtos alimentares, abordagens fiscais e vigilância da obesidade infantil.

“Portugal é um país líder em algumas dessas áreas”, diz-se na carta, na qual se elogiam medidas como a de controlar do marketing da alimentação para crianças ou de tributar os refrigerantes açucarados e incentivar a atividade física.

Além das conquistas recentes Portugal está, no nosso ponto de vista, bem posicionado para assumir um papel de liderança em muitas das frentes mencionadas, e as propostas políticas no novo Programa de Nutrição estão fortemente alinhadas com as orientações e recomendações da OMS, incluindo a nova iniciativa para restringir alimentos não saudáveis em instituições pertencentes ao Ministério da Saúde”.

A EIPAS prevê restrições nas vendas de alimentos em máquinas automáticas, a redução de sal na alimentação, o incentivo da produção biológica, a redução na distribuição de açúcar (pacotes), ou limitações a publicidade de alimentos para menores com excesso de sal, açúcar e gorduras

Veja também: