A Proteção Civil dos Açores anunciou esta quarta-feira que a ilha de São Miguel está a registar atividade sísmica de baixa frequência, situação que pode indicar a presença de fluidos magmáticos/hidrotermais na sua origem.

Segundo o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros, que reporta informação do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA), desde as 21:30 de terça-feira “tem vindo a ser registada atividade sísmica com características de baixa frequência na ilha de S. Miguel, o que pode indicar a presença de fluidos magmáticos/hidrotermais na sua origem”.

A mesma nota refere que entre as 21:30 de terça-feira e as 08:01 de hoje (mais uma hora em Lisboa) “foram registados um total de 55 eventos”.

“Estes eventos não permitem uma localização epicentral rigorosa, estando associados à zona sismogénica correspondente à região central da ilha de S. Miguel, abrangendo os sistemas vulcânicos do Fogo e Congro”, adianta a Proteção Civil, salientando não existir, até ao momento, dados de que qualquer evento tenha sido sentido pela população.

À agência Lusa, a presidente da direção do CIVISA, Teresa Ferreira, explicou que “ao longo desta noite registou-se uma atividade sísmica fora do normal”, esclarecendo que “os sinais sísmicos registados não são tectónicos e, como tal, não permitem uma localização epicentral tão rigorosa”.

“Na origem destes sinais sísmicos poderá estar a movimentação dos fluidos, quer magmáticos, quer hidrotermais”, declarou Teresa Ferreira, garantindo “acompanhamento permanente ao evoluir da situação”.

Assinalando que se trata de 55 sismos de baixa magnitude, a presidente do CIVISA acrescentou que, “ocasionalmente, é registado este tipo de eventos, mas a quantidade é acima da média, pelo que se justificou a emissão da nota” da Proteção Civil.