A greve às horas extraordinárias dos trabalhadores da aerogare civil das Lajes, na ilha Terceira, iniciada na quinta-feira, conta com 100% de adesão, mas ainda não afetou os serviços prestados, segundo o Sintap/Açores.

A aerogare civil das Lajes funciona regularmente entre as 07:00 e as 21:00, mas os trabalhadores são escalados para fazerem horas extraordinárias, mediante o agendamento de escalas técnicas.

Segundo Amílcar Martins, delegado sindical do Sintap (Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública)/Açores, algumas companhias aéreas que tinham escalas técnicas programadas para o mês de dezembro nas Lajes já alteraram o horário, para não serem afetadas pela greve às horas extraordinárias.

«A greve só começou ontem [quinta-feira], mas contamos com uma adesão de 100%», adiantou, hoje, em declarações à Lusa, o delegado sindical do Sintap.

Na próxima semana, os trabalhadores vão reunir-se com representantes da secretaria regional do Turismo e Transportes, que tutela a gestão da aerogare civil das Lajes, e o sindicalista disse estar confiante num entendimento.

«Acho que as nossas reivindicações são razoáveis», frisou Amílcar Martins, acrescentando que os trabalhadores estão «prontos para o diálogo».

Em causa está não só um atraso superior a dois meses no pagamento das horas extraordinárias, como uma alteração ao horário dos trabalhadores que têm responsabilidades em termos de tráfego aeroportuário e dão assistência em terra, sem auscultação prévia dos sindicatos.

Segundo Amílcar Martins, a nova escala de trabalho foi apresentada «de um dia para o outro», no início de outubro, e inclui uma hora para além do horário normal de funcionamento da aerogare, que desta forma deixa de ser paga como trabalho extraordinário.

«Foi feita contra a vontade das pessoas e sem obediência às leis em vigor», salientou, alegando que a tutela tem direito a fazer alterações no horário, mas tem de fazê-lo atempadamente e informando os representantes dos trabalhadores.

Outra das reivindicações dos trabalhadores é a «atualização das classificações de serviço» de 2013, que «está em atraso».

O pré-aviso de greve invocava ainda como justificação uma "imposição" do regime de banco de horas a estes trabalhadores ao arrepio do disposto na lei e no acordo assinado pelo Sintap em matéria de duração e organização do tempo de trabalho.

A greve ao trabalho extraordinário dos trabalhadores da aerogare civil das Lajes estende-se até 31 de dezembro.