A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves anunciou esta quinta-feira a descoberta de vários exemplares no Corvo de uma planta que, em todo o mundo, só existe em duas ilhas açorianas e de que não havia registos desde 2012.

Segundo um comunicado, a descoberta foi feita em trabalhos de campo realizados este mês por técnicos da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e um investigador da Universidade de Munique (na Alemanha).

Foram descobertos «vários exemplares de Não-me-esqueças (Myosotis azorica), uma das plantas mais raras dos Açores e que em todo o mundo apenas pode ser encontrada neste arquipélago, nas ilhas das Flores e Corvo», revela a SPEA, acrescentando que nas Flores não há registos desde 2001 e, no Corvo, tinham sido registados cinco exemplares em 2012.

Trata-se de uma «pequena planta, com uma flor de um intenso azul-marinho» e os cinco exemplares descobertos no Corvo em 2012 estavam numa falésia «que posteriormente ficou destruída por um movimento de terras, suspeitando-se que a espécie poderia estar perdida ou extinta», revela ainda a SPEA, no mesmo comunicado.

Segundo a SPEA, esta planta foi descrita pelo britânico H. C. Watson em 1842, «sendo a sua distribuição mais recente restrita às ilhas das Flores e do Corvo».

A população de «Não-me-esqueças» agora descoberta no Corvo deve rondar as 50 plantas com flor.

«A SPEA, em colaboração com o Parque Natural de Ilha do Corvo e a Universidade Técnica de Munique estão a unir esforços para definir o plano de ação para a espécie Myosotis azorica e esperam conseguir aumentar, por produção em viveiro, o número de indivíduos desta espécie extremamente ameaçada», lê-se no comunicado divulgado pela SPEA.