Meios marítimos e aéreos tentam localizar um tripulante de um barco a remos que desapareceu a cerca de 2.500 quilómetros a sudoeste de São Miguel, Açores, quando tentava bater o recorde da travessia a remo do Atlântico.

Segundo a Marinha, a embarcação a remos ‘Toby Wallace’ tinha o objetivo de bater o recorde da travessia a remos do Atlântico, tendo largado das Canárias com destino a Barbados a 28 de janeiro último, com oito tripulantes, mas um deles "está desaparecido no mar".

A embarcação encontrava-se a cerca de 1.343 milhas náuticas, a sudoeste da ilha de São Miguel, quando foi dado o alerta, pelas 00:10 de hoje e a operação está a ser feita, desde a madrugada, em articulação com o Centro de Busca e Salvamento Marítimo de Ponta Delgada (MRCC Delgada), o Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Aéreo das Lajes (RCC Lajes) e o MRCC Falmouth (Inglaterra).

Uma fonte do MRCC de Ponta Delgada adiantou à Lusa que os restantes sete tripulantes encontram-se bem na embarcação e assim que possível serão resgatados.

De acordo com informação disponível no portal da Marinha, o pedido de auxílio foi desencadeado através do MRCC Falmouth, relatando que um dos tripulantes tinha caído à água, sendo de "imediato solicitado o auxílio de um navio mercante, o cargueiro ‘MV Sea Pearl’, que se encontrava a navegar a cerca de 127 minhas náuticas de distância".

Foram igualmente ativadas a corveta ‘António Enes’, uma aeronave P3 Orion da Força Aérea Portuguesa e uma aeronave Falcon-50 da Marinha Francesa (que se encontrava em Dakar, Senegal), acrescenta a Marinha.

O Falcon da Marinha Francesa já cessou, contudo, as buscas na área "de maior probabilidade de deteção do náufrago", onde se mantém ainda o cargueiro ‘MV Sea Pearl’ e o P3 Orion da Força Aérea Portuguesa, que já estabeleceram contacto com os sete tripulantes a bordo do “Toby Wallace”.