O ciclone 'Alex', que irá transformar-se em furacão na sexta-feira, é o primeiro fenómeno meteorológico desta natureza a acontecer no mês de janeiro em quase 80 anos, de acordo com meteorologistas norte-americanos.

Segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês), é a primeira vez que um furacão se forma em janeiro no oceano Atlântico desde 1938.

O instituto norte-americano alertou para a grande quantidade de chuva, a possibilidade de deslizamentos de terra, inundações repentinas e inundações costeiras significativas, acompanhadas de ondas grandes e destrutivas.

O ciclone 'Alex', com ventos de 140 quilómetros por hora, evolui na direção do arquipélago dos Açores.

Em declarações à Lusa, o diretor regional do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Diamantino Henriques, esclareceu que “é a primeira vez que se forma um furacão nesta altura do ano no Atlântico desde que há registos sistemáticos”, salientando que, por norma, “são fenómenos que ocorrem entre agosto e outubro nos Açores, mas no Atlântico são fenómenos que ocorrem entre junho até novembro.

“Trata-se de um furacão de categoria 1, a menos intensa de cinco categorias”, adiantou Diamantino Henriques.

A meteorologista Vanda Costa, da delegação regional dos Açores do IPMA, disse à Lusa que o 'Alex' “é, também, apenas o quarto conhecido no mês de janeiro desde que há registos, ou seja, desde 1851”.

O Governo Regional dos Açores recomendou o encerramento de todos os jardins-de-infância e creches das ilhas dos grupos central e oriental na sexta-feira devido ao agravamento do estado do tempo.

O executivo determinou ainda a não realização neste dia de atividades com alunos nas escolas dos diferentes ciclos nestes dois grupos.

Os polos da Universidade dos Açores em Ponta Delgada (São Miguel), Angra do Heroísmo (Terceira) e Horta (Faial) vão estar encerrados, bem como todas as instâncias e serviços do tribunal sediados nas ilhas dos grupos central e oriental, à exceção de urgências.

Foi também recomendado o encerramento dos centros de atividades de tempos livres, dos centros de atividades ocupacionais e dos centros de dia, anunciou o executivo.

O Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores já emitiu um alerta e recomendou a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas e a retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento, bem como a adequada fixação de estruturas soltas, como andaimes ou placards e outras estruturas montadas ou suspensas.

A Proteção Civil açoriana aconselha, também, a manter limpos os sistemas de drenagem e a consolidar telhados, portas e janelas, devendo a população ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas, não devendo praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar.