O presidente do Serviço Regional da Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) disse, nesta quinta-feira, que todas as corporações dos grupos central e oriental estão de prevenção, deixando um alerta sobretudo para a agitação marítima na madrugada.

"Já foram colocados a par da situação todos os agentes de Proteção Civil da Região Autónoma dos Açores, sobretudo os 14 corpos de bombeiros dos grupos central e oriental, e os respetivos serviços municipais de Proteção Civil", adiantou o capitão José Dias, presidente do SRPCBA, numa conferência de imprensa em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira.


A tempestade tropical Alex "intensificou-se" e, segundo a delegação dos Açores do IPMA, neste momento é "um furacão de categoria 1", com previsões que apontam para um aumento da intensidade do vento e da agitação marítima, em especial nas ilhas do grupo central.

José Dias recomendou à população das ilhas dos grupos central (Terceira, São Jorge, Graciosa, Faial e Pico) e oriental (São Miguel e Santa Maria) "atenção redobrada" à agitação marítima durante o período noturno, uma vez que "a preia-mar irá acontecer perto das 04:00 (hora local).

Segundo o presidente da Proteção Civil, não há zonas em particular nos Açores que mereçam destaque, mas a saturação dos solos devido à precipitação também é motivo de alerta.

"Não podemos descurar toda a precipitação que ocorreu nos dias anteriores e que, de alguma forma, faz com que haja alguma saturação dos solos e que a precipitação que nós prevemos que possa acontecer possa trazer alguma fragilização às mesmas", frisou.


Até ao momento, a Proteção Civil dos Açores não registou incidentes, mas o estado do tempo deverá agravar-se a partir das 00:00 de sexta-feira (mais uma hora em Lisboa).

O presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores  recomendou "a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas, a retirada de inertes e de outros objetos que possam ser arrastados ou que criem obstáculos ao livre escoamento das águas e a adequada fixação de estruturas soltas, como andaimes, placards e outras estruturas, montadas ou suspensas".

José Dias aconselhou ainda a população a consolidar os telhados, as portas e as janelas e a ter especial atenção à circulação junto da orla costeira e das zonas ribeirinhas.
 

Serviços encerrados


O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, determinou o encerramento de todos os serviços e organismos regionais nas sete ilhas dos grupos central e oriental devido ao mau tempo.

“Face ao agravamento previsível do estado do tempo nas ilhas dos grupos central e oriental do arquipélago dos Açores para sexta-feira, o Governo Regional, por despacho do presidente, decidiu o encerramento de todos os serviços e organismos localizados naquelas ilhas”, refere uma nota de imprensa do executivo açoriano, cujo presidente vai acompanhar o evoluir da situação na ilha Terceira, onde está a sede da Proteção Civil.

Segundo o mesmo despacho, são exceção “os serviços considerados urgentes e essenciais, nomeadamente hospitais, centros de saúde, serviços de proteção civil, assim como os demais considerados pelos respetivos diretores regionais da tutela”.

O Governo Regional recomendou ainda o encerramento de todos os jardins-de-infância e creches das ilhas dos grupos central e oriental. O executivo determinou também a não realização neste dia de atividades com alunos nas escolas dos diferentes ciclos nestes dois grupos. 

Os polos da Universidade dos Açores em Ponta Delgada (São Miguel), Angra do Heroísmo (Terceira) e Horta (Faial) vão estar encerrados, bem como todas as instâncias e serviços do tribunal sediados nas ilhas dos grupos central e oriental, à exceção de urgências. 

Foi igualmente recomendado o encerramento dos centros de atividades de tempos livres, dos centros de atividades ocupacionais e dos centros de dia, anunciou o executivo. 
 

Rajadas de 170km/h e ondas de 18 metros


O furacão 'Alex', que poderá provocar rajadas de 170 quilómetros/hora e ondas de 18 metros no grupo central dos Açores, está hoje a evoluir na direção do arquipélago.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), para as ilhas do grupo central, o aviso vermelho para chuva vigora entre as 02:00 e as 14:00 de sexta-feira (mais uma hora em Lisboa), enquanto o mesmo aviso para o mar mantém-se entre as 05:00 e as 15:00.

O mesmo aviso vermelho, o mais grave numa escala de quatro, mas para o vento está em vigor entre as 05:00 e as 14:00 de sexta-feira no mesmo grupo.

Para o grupo oriental (São Miguel e Santa Maria) foi também emitido um aviso vermelho para chuva entre as 02:00 e as 14:00 de sexta-feira e para vento, esperando-se nestas ilhas rajadas até 130 quilómetros/hora entre as 05:00 e as 13:00.

Devido às previsões meteorológicas, foram entretanto encerradas várias vias nas ilhas Terceira, Graciosa, Pico, Faial, São Miguel e Santa Maria.

Apesar de não ser o primeiro furacão que atinge os Açores, o ‘Alex’ tornou especial o trabalho nas instalações de Ponta Delgada do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, segundo a meteorologista Vanda Costa.

A poucas horas da passagem do ‘Alex’ pelo grupo central, a meteorologista afirma que a adrenalina está a aumentar em função da proximidade do fenómeno natural.

No centro nevrálgico da meteorologia no arquipélago, em Ponta Delgada, Vanda Costa, natural da ilha de Santa Maria, afirma que o instituto já foi hoje “bombardeado” com centenas de telefonemas de pessoas que recorrem aos serviços em busca de respostas sobre como agir, salientando, contudo, que esta é uma função do Serviço Regional da Proteção Civil do arquipélago.

A preocupação perante a chegada iminente do ‘Alex’ é acrescida para os profissionais do IPMA, referiu Vanda Costa, “havendo a necessidade imperiosa de transmitir, com todo o rigor, sem alarmismo”, informação objetiva para os cidadãos.

Num dia em que inúmeros órgãos de comunicação social nacionais são uma presença constante no outro lado da linha telefónica, a especialista do IPMA não esconde que, em termos profissionais, este é um “fenómeno aliciante” de acompanhar, tendo um “caráter extraordinário”.

Vanda Costa explica que, por norma, os furacões formam-se com base em perturbações na zona de Cabo Verde, deslocando-se posteriormente para os Estados Unidos da América e, por vezes, para nordeste, acabando por atingir os Açores.

O ‘Alex’ teve uma formação completamente diferente, não surgindo no arquipélago africano, tendo o seu deslocamento uma formação “completamente anormal”, dirigindo-se desde o seu início para norte-nordeste, adianta.

Com as ilhas do grupo central na rota do ‘Alex’, um fenómeno meteorológico atípico nesta altura do ano, Vanda Costa recorda a passagem pelos Açores do furacão ‘Gordon’, em agosto de 2012, que provou inundações, cortes momentâneos de energia elétrica e estradas obstruídas nas ilhas de São Miguel e Santa Maria.

A meteorologista já acompanhou também a tempestade tropical ‘Nadine’, em setembro de 2015, que teve a particularidade de passar na região, dirigir-se para a Madeira e voltar, de novo, para o arquipélago.
 

SATA sem ligações aéreas


A companhia aérea açoriana SATA não realiza durante a manhã de sexta-feira voos que tinha agendado entre as ilhas dos Açores devido ao mau tempo, tendo reprogramado estas ligações para o início da tarde, disse fonte da empresa.

O porta-voz da companhia, António Portugal, adiantou à Lusa que, devido às previsões meteorológicas, "a SATA reprogramou os seus voos para que se iniciem a partir das 13:00" locais de sexta-feira (mais uma hora em Lisboa), indicando que estavam previstas, por exemplo, ligações para as ilhas de Santa Maria, Terceira, Faial, São Jorge e Graciosa.

António Portugal disse ainda que o voo da SATA Internacional de Boston para a ilha Terceira na sexta-feira, num avião que faria também a ligação com Lisboa, foi igualmente reprogramado.

Assim, o aparelho só deverá chegar durante a tarde à ilha Terceira de onde partirá para Lisboa pelas 17:30 locais, acrescentou.

O porta-voz da transportadora esclareceu pelas 20:00 que os passageiros estavam a ser informados das alterações aos voos.