Acordo Ortográfico em risco

Divergências entre linguistas de Portugal e do Brasil podem retardar a implementação das novas regras comuns aos países lusófonos

Por: Redação / JF    |   30 de Dezembro de 2008 às 15:47
O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em 1990, pode falhar na prática caso não seja elaborado um vocabulário ortográfico comum entre o Brasil e Portugal, afirmou o presidente do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) à agência Lusa.

O Brasil será o primeiro país a adoptar oficialmente as novas regras ortográficas que entram em vigor a 1 de Janeiro de 2009, com um prazo para adequação e reedição dos livros didácticos e dicionários até Dezembro de 2012.

No entanto, divergências quanto a uma interpretação comum do acordo por linguistas de Portugal e do Brasil podem retardar a implementação das novas regras comuns aos países lusófonos.

Godofredo de Oliveira Neto, que preside ao IILP, ligado à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), afirmou que se a convenção internacional não for adoptada igualmente por todos os países, «o acordo fica desacordado».

«A construção de um vocabulário ortográfico comum é um dos artigos mais importantes exposto no acordo. Se não tiver regras não tem acordo», disse à Lusa o escritor, ao frisar que os linguistas portugueses e brasileiros têm que chegar a um «acordo sobre a interpretação deste acordo ortográfico».

Segundo Oliveira Neto, «o que falta é uma união dos especialistas e não dos políticos, e isso pode prejudicar a implantação do acordo na sua plenitude».

Oliveira Neto disse ser indispensável o entendimento entre a Academia Brasileira de Letras (ABL) e a Academia das Ciências de Lisboa, as duas instituições responsáveis pela elaboração do vocabulário ortográfico para servir como referência para os dicionários.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Escrever [Arquivo]
Escrever [Arquivo]
COMENTÁRIOS

PUB
«Não foi a PT que fez cair o BES, foi o BES que fez cair a PT»

Henrique Granadeiro aponta o dedo a Morais Pires e Joaquim Goes, por terem conhecimento dos problemas do GES e não terem alertado a Portugal Telecom. O ex-presidente da PT garante que só em maio detetou um «primeiro indício» desses problemas, mas admite que já antes existiam «rumores», que iam sendo desvalorizados devido às declarações da ministra das Finanças, do governador do Banco de Portugal e do Presidente da República