Quase 380 jovens morreram em acidentes rodoviários entre 2010 e 2014, representando 10 por cento do total das vítimas mortais, revelou esta terça-feira pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Os dados foram divulgados pelo presidente da ANSR, Jorge Jacob, durante a sessão de lançamento da edição deste ano de um programa rodoviário destinado a futuros condutores.

Entre 2010 e 2014, os acidentes rodoviários provocaram entre os jovens 378 vítimas mortais, 1.575 feridos graves e 28.895 feridos ligeiros, tendo a sinistralidade deste grupo etário um custo económico e social estimado em 1.159 milhões de euros.

As estatísticas da ANSR indicam também que o risco de morte em acidentes de viação dos jovens entre os 18 e os 24 anos foi cerca de 30 por cento superior ao da restante população e 51 por cento dos mortos e feridos graves resultaram de despistes, seguido de colisões (48%).

Os dados mostram também que a maioria dos jovens mortos ou feridos graves são condutores e passageiros, sendo o número de atropelamentos, entre os 18 e os 24 anos, inferior ao da restante população.

A maioria dos acidentes, envolvendo jovens e com mortos ou feridos graves, ocorrem dentro das localidades, durante a noite e a madrugada, sobretudo aos fins de semana.

As estatísticas da ANSR indicam ainda que Portugal ocupa o terceiro lugar mais baixo da Europa em termos de risco de morte dos jovens.