O trabalhador que morreu este sábado de madrugada na barragem de Foz Tua era guineense e caiu de uma altura de 10 metros durante uma operação «feita dezenas de vezes ao longo de cada dia», disse a EDP à Lusa.

«O acidente ocorreu durante uma operação de elevação de cofragem, no paramento de jusante da Barragem, operação esta que é efetuada dezenas de vezes ao longo de cada dia», afirmou a elétrica nacional, numa nota enviada à Lusa.

A cofragem é uma espécie de molde de madeira onde o cimento «encaixa», sendo depois retirada a estrutura de madeira, que serve de esqueleto de uma obra.

«Entre as 23:30 e as 24:00 da passada noite aconteceu um acidente mortal na Barragem de Foz Tua, vitimando um trabalhador com 50 anos, de naturalidade guineense», refere a nota da EDP, que acrescenta que «este trabalhador que se encontrava na obra desde o início das betonagens da barragem, tendo anteriormente trabalhado noutras barragens, pertence à empresa subempreiteira do Barragem Foz Tua, ACE».

Os trabalhos, conclui a nota da EDP, «foram suspensos de imediato, procedendo-se à recolha e averiguação de dados mais objetivos» na obra, que «emprega atualmente cerca de 800 trabalhadores».

No local estiveram os Bombeiros Voluntários de Alijó, a Guarda Nacional Republicana e a viatura médica de emergência e reanimação (VMER) de Vila Real.