A REFER informou que a maioria das linhas de caminho-de-ferro portuguesas estão equipadas com um sistema de controlo de velocidade, com o objetivo de evitar acidentes como o ocorrido quarta-feira em Santiago de Compostela.

Fonte da REFER - Rede Ferroviária Nacional explicou à agência Lusa que o CONVEL - Controlo Automático de Velocidade, colocado ao nível da via, alerta o maquinista sempre que o comboio ultrapassa o limite de velocidade imposto em determinada zona. Numa segunda fase, caso a velocidade não seja reduzida, «o próprio comboio trava automaticamente a marcha».

Espanha: sistema automático que controla velocidade podia ter evitado tragédia

Também do presidente do Sindicato Nacional dos Maquinistas dos Caminhos de Ferro Portugueses (SMAQ), António Medeiros confirmou que as vias nacionais estão equipadas com sistemas complementares de segurança, nomeadamente de comando e controlo de velocidade.

António Medeiros adiantou que Espanha é um país «muito avançado no transporte ferroviário», pelo que admitiu ter dúvidas de «que a velocidade, só por si, tenha provocado o descarrilamento» do comboio em Santiago de Compostela.

«Houve mais alguma coisa que falhou e deve haver outras causas ou anomalias que, todas em conjunto, provocaram este acidente», salientou à Lusa o presidente do sindicato dos maquinistas portugueses.

A REFER especificou que a Linha do Norte - que liga Lisboa ao Porto - é uma das que está equipada com o Controlo Automático de Velocidade.

Segundo informação pública, que consta da página da internet da Rede Ferroviária Nacional, o sistema é «partilhado entre os operadores e a REFER e permite assegurar elevadíssimos níveis de segurança de circulação, garantindo o cumprimento da sinalização e da velocidade autorizada de circulação pelos comboios», cita a Lusa.

O equipamento consiste na colocação de balizas (emissores) na via-férrea, que transmitem informação ao comboio, no qual estão instaladas antenas que leem a informação das balizas e a transmitem a um microprocessador.

Depois, o microprocessador passa a informação recolhida para um painel situado na cabina de condução e faz atuar o sistema de travagem, se necessário.

A agência Lusa também contactou a CP - Comboios de Portugal, mas a empresa escusou-se a prestar informações.

O acidente ferroviário em Espanha ocorreu na quarta-feira às 20:45 locais (19:45 em Lisboa), quando o comboio de alta velocidade, que fazia a ligação entre Madrid e Ferrol, com quase 250 passageiros a bordo, descarrilou a três quilómetros de Santiago de Compostela.

Segundo os últimos dados, o acidente causou a morte a pelo menos 80 pessoas e mais de uma centena de feridos.