Uma pessoa morreu e quatro ficaram feridas, nesta quinta-feira, em Matosinhos depois de terem sido abalroadas por um autocarro que se despistou junto à estação de metro do Mercado, disse à TVI24 fonte do Comando Distrital de Operações.

De acordo com o CDOS, o autocarro despistou-se pelas 15:22 na Avenida Engenheiro Duarte Pacheco, em Matosinhos, e embateu na paragem, num autocarro e num automóvel.

Do acidente resultou um morto e quatro feridos, dois com ferimentos leves e dois com ferimentos graves. 

A PSP está a apurar as causas do acidente com um autocarro, disse à Lusa fonte municipal da Proteção Civil.

“As causas do acidente ainda são desconhecidas, mas foi chamado ao local o Núcleo de Investigação da PSP, que está, neste momento, a fazer perícias”, indicou Susana Gonçalves, comandante operacional e chefe de Divisão da Proteção Civil da Câmara de Matosinhos.

A responsável acrescentou que “um autocarro da Resende despistou-se e embateu numa paragem de autocarro situada entre a doca de Matosinhos e o mercado municipal”, provocando a morte a uma mulher de cerca de 70 anos, ferimentos graves noutra mulher da mesma idade e ferimentos ligeiros em três pessoas.

De acordo com a mesma fonte, depois de embater contra uma paragem de autocarro, a viatura da Resende “embateu contra um segundo autocarro da Valpi, que por sua vez chocou contra um terceiro autocarro da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP)”.

Susana Gonçalves acrescentou que dois dos feridos ligeiros são “motoristas dos autocarros envolvidos no acidente”.

Uma mulher de 26 anos ficou também com ferimentos leves na sequência do acidente.

Todos os feridos foram transportados para o hospital de Pedro Hispano, em Matosinhos, acrescentou a chefe de Divisão da Proteção Civil da Câmara de Matosinhos.

A mesma fonte acrescentou que os familiares das vítimas estão a receber apoio psicológico do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Susana Gonçalves acrescentou, pelas 16:30, que o trânsito na avenida Duarte Pacheco está condicionado e que o metro “funciona normalmente”.

No local estão 12 viaturas de emergência e socorro, apoiadas por 22 homens.