Um estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) em parceria com a Sociedade Portuguesa de Hipertensão revela que a mortalidade por acidente vascular cerebral (AVC) baixou 46% em Portugal na última década.

Liderado pelo professor da FMUP Jorge Polónia, este trabalho avaliou a prevalência, taxa de conhecimento e controlo da hipertensão arterial no nosso país por registos efetuados em dois momentos diferentes, com dez anos de distância.

Permitiu também - pela primeira vez - calcular, numa amostra representativa da população portuguesa, o real consumo de sal e identificou fatores genéticos associados a um risco aumentado de eventos cardiovasculares e diabetes.

Segundo os autores do trabalho, «estes novos dados podem abrir portas à identificação dos grupos de maior risco, facilitando o seu tratamento».

Portugal encontra-se no topo da tabela dos países europeus em que é maior a relação entre a mortalidade por acidente vascular cerebral (AVC) e a ingestão média diária de sal. No entanto, de acordo com o estudo da FMUP, verificou-se uma diminuição de 46% da mortalidade causada por esta doença, relativamente a 2003.

Os dados deste trabalho serão apresentados segunda-feira em conferência de imprensa, na FMUP.