A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) abriu um inquérito para averiguar as circunstâncias do acidente de trabalho que provocou esta terça-feira a morte de um trabalhador, de 48 anos, nas minas de Aljustrel, no Alentejo.

Por se tratar de um acidente de trabalho mortal, uma equipa de inspetores da instituição esteve no local a recolher elementos para desenvolver as averiguações necessárias e elaborar o inquérito, disse à agência Lusa o diretor da Unidade Local do Litoral e Baixo Alentejo da ACT, Carlos Graça.

Segundo o responsável, "assim que foi alertada pela proteção civil de Beja, a ACT deslocou para o local uma equipa de inspetores, que, em conjunto com a Direção-Geral de Energia e Geologia, procede a averiguações".

Fonte do Comando Distrital de Operações e Socorro (CDOS) de Beja disse à Lusa que o trabalhador terá morrido vítima de uma queda no interior das minas de Aljustrel, no distrito de Beja, e que o alerta para o acidente foi dado às 09:50.

Segundo a concessionária das minas de Aljustrel, a Almina, num comunicado enviado à Lusa, após o acidente, que ocorreu no jazigo de Feitais, o homem, trabalhador de um empreiteiro, foi "imediatamente assistido" pelas equipas médica e de resgate mineiro da empresa, mas acabou por falecer no local.

"Imediatamente após o acidente, foram acionados os mecanismos de emergência e reação previstos na empresa e alertadas as autoridades competentes, que procederam em conformidade", indicou a Almina, referindo que o empreiteiro já iniciou um inquérito de investigação para determinar as causas do acidente.


As operações de socorro mobilizaram duas ambulâncias e três elementos dos Bombeiros Voluntários de Aljustrel, a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Beja e uma patrulha da GNR.