O condutor da carrinha envolvida no acidente de quinta-feira que provocou a morte de 12 portugueses está hospitalizado numa unidade psiquiátrica e ainda não foi ouvido pelas autoridades, indicou o Ministério Público de Moulins, em França. As autoridades francesas não revelaram no entanto, a localização da unidade psiquiátrica.

O condutor de 19 anos, também português, sofreu uma fratura num pulso e é o único sobrevivente entre os ocupantes da carrinha envolvida no acidente, que ocorreu por volta das 23:45 de quinta-feira na estrada nacional N79, perto da cidade francesa de Lyon, na localidade de Moulins.

Em estado de choque, o jovem foi admitido inicialmente nas urgências psiquiátricas de Moulins.

Na sexta-feira, o condutor foi transferido para uma outra unidade psiquiátrica naquela zona por “alguns dias”, explicou, em declarações à agência noticiosa francesa AFP, o procurador de Moulins, Pierre Gagnoud.

Tendo em conta as circunstâncias, o jovem não deve ser ouvido pelas autoridades antes “do início da próxima semana”, indicou o magistrado.

O proprietário da carrinha 

Um outro homem, que “poderá ser o presumível proprietário da carrinha” e que estava a fazer o mesmo trajeto da carrinha acidentada mas em outro veículo, também foi internado na mesma unidade psiquiátrica devido “a um choque psicológico”, acrescentou Pierre Gagnoud.

O veículo em que seguiam os portugueses saiu da Suíça por volta das 21:00 de quinta-feira e teria como destino a Portugal.

As doze vítimas mortais, com idades entre os sete e os 63 anos, morreram na sequência de um choque frontal entre a carrinha em que seguiam e um veículo pesado. A carrinha desviou-se para a faixa contrária e colidiu de frente com o camião.

A carrinha, do modelo Mercedes Sprinter,não era um pequeno autocarro e não é adequada, por natureza, para o transporte coletivo”, recordou o procurador.

Os investigadores vão “reconstruir a carrinha a partir dos destroços” para tentarem determinar “se tinha sido construída especificamente para o transporte de pessoas”, o que parece "pouco provável", precisou Pierre Gagnoud.

A outra hipótese é tratar-se “de uma adaptação artesanal, totalmente inadequada, com cadeiras dobráveis e com os passageiros sentados na parte de trás em assentos improvisados", detalhou o magistrado.

O motorista italiano do veículo pesado envolvido no acidente já teve alta do hospital e foi ouvido na sexta-feira pelas autoridades francesas. O outro homem que seguia no camião foi operado na sexta-feira a um pulso e deverá ser ouvido durante o dia de hoje, segundo informou ainda o procurador.

Familiares chegam a Moulins

Alguns familiares das vítimas começaram a chegar na sexta-feira a Moulins e outros são aguardados durante o dia de hoje.

Uma unidade de apoio médico e psicológico foi disponibilizada para os familiares das vítimas.

O ministro dos Transportes francês, Alain Vidalies, pediu entretanto prudência nas declarações feitas sobre o acidente, nomeadamente sobre as condições da estrada onde se deu o acidente.

A N79 é uma das estradas nacionais que compõem a Estrada Centro Europa Atlântico, um itinerário que atravessa a França de leste a oeste e que é conhecido como a “estrada da morte”.

“As condições exatas do acidente não foram determinadas. As informações que disponho apelam à prudência sobre o papel da estrada. Existem perguntas legítimas sobre o veículo utilizado”, afirmou Alain Vidalies, em declarações à emissora RTL.