Acidente brutal corta trânsito na A2: automóvel cortado ao meio

Carro de alta cilindrada ficou literalmente partido ao meio. Mãe e filho ficaram feridos

Por: Redação / MM    |   20 de Dezembro de 2010 às 18:17
Actualizada às 19:30

Um acidente brutal cortou, esta segunda-feira à tarde, o trânsito na A2, no sentido Sul-Norte, na zona do Seixal. O acidente aconteceu cerca das 16:10, quando uma viatura de alta cilindrada embateu no pilar da ponte que passa por cima da auto-estrada.

O carro era conduzido por uma mãe, de 49 anos, que transportava o filho de oito anos no banco de trás. A viatura ficou literalmente partida ao meio e a criança acabou por ser expelida da viatura.

De acordo com fontes da GNR, ouvidas pela repórter da TVI Irene Palma, que se encontrava no local, avançam que a criança inspirava maiores cuidados e saiu do local do acidente num estado semi-inconsciente. Os bombeiros tiveram mesmo de esperar pela chegada de uma equipa do INEM para estabilizar primeiro a criança no local, antes de a transportar para o hospital.

Fonte dos Bombeiros Voluntários do Seixal disse ao tvi24.pt que ambos os feridos foram transportados para o Hospital Garcia d¿ Orta, em Almada. Fonte do Hospital confirmou ao tvi24.pt que ambos deram entrada por volta das 17:40. A mulher está «em vigilância para certificar a ausência de lesões». A criança inspira mais cuidados, mas está «estável», internada na unidade de Pediatria, «em observação».

O trânsito esteve cortado durante duas horas. Os pertences dos ocupantes do veículo ficaram espalhados pela via e foram recolhidos pela GNR.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Acidente brutal corta A2
Acidente brutal corta A2

COMENTÁRIOS

PUB
Sócrates nega tudo e diz que MP é que cometeu um «crime»

«Falsas, absurdas e infundamentadas». É assim que o ex-primeiro-ministro classifica as suspeitas de ilícitos criminais pelos quais foi detido e preso preventivamente, numa declaração por escrito enviada ao «Público» e à TSF. Diz que a sua detenção foi uma «infâmia» e a prisão preventiva uma «humilhação gratuita». Deixa, ainda, uma mensagem ao PS e termina dizendo que o processo «só agora começou»