Um enfermeiro acusado de abusar sexualmente de três mulheres internadas no Hospital de Santo António, no Porto, no qual trabalhava, negou hoje, em tribunal, ter cometido os atos, contou fonte judicial.

A mesma fonte referiu que, para além de negar ter praticado atos abusivos, o enfermeiro, de 37 anos, que começou hoje a ser julgado nas varas criminais do Porto e prestou declarações durante mais de uma hora e meia, garantiu ter apenas procedido a atos médicos.

Os factos terão acontecido entre 2007 e 2012, no Hospital de Santo António, no Porto, e o enfermeiro ter-se-á aproveitado de as vítimas estarem sedadas.

O primeiro episódio terá acontecido em agosto de 2007 e envolvido uma jovem de 17 anos que, apesar de ter apresentado queixa junto daquela unidade de saúde, viu o caso ser arquivado.

A segunda situação remonta a 2010 e envolveu uma mulher de 35 anos que apresentou queixa na PSP, o que levou a que o caso chegasse ao Ministério Público.

Após isto, o hospital terá decidido transferir o enfermeiro de secção o que porém não o terá impedido de, em 2012, voltar a abusar de uma paciente, desta vez uma jovem de 18 anos.

A primeira vítima pede uma indemnização de 15 mil euros ao arguido e ao hospital por considerar que a unidade de saúde descredibilizou a sua queixa.

Depois de hoje o arguido e uma vítima terem prestado declarações, o julgamento continua na próxima quinta-feira.