Entre 2009 e 2013 nasceram em Portugal 34 bebés de mães adolescentes até aos 13 anos, segundo os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística.

Neste período, há registo de dois nados-vivos de mães adolescentes de 11 anos (2011) e outros dois de mães de 12 anos (2009). Os restantes 30 são todos de menores de 13, com uma média de seis nascimentos por ano. 


Os números de nados-vivos (referência estatísticas para os bebés nascidos com vida) referem-se apenas a nascimentos em Portugal e não de mães portuguesas.
 
Ainda não há dados discriminados de 2014, mas em 2015 sabe-se, para já, que uma criança de 12 anos, grávida de cinco meses depois de ter sido violada pelo padrasto,  aguarda uma decisão sobre a possibilidade de abortar.
 
Desde 2007, data em que foi aprovada, na sequência de um referendo, a interrupção voluntária da gravidez houve um decréscimo no número de bebés de mães até aos 13 anos, bem como nos totais de  nascimentos na adolescência (até aos 19 anos).

Em 2006, por exemplo, nasceram 14 bebés de mães de 13 anos, enquanto em 2007 nasceram 12 e em 2008 apenas seis. 


No que respeita aos números totais de bebés de mães entre os 11 e os 19 anos, nasceram menos 1.486 entre 2009 e 2013.
 
Recorde-se que uma menor de 16 anos necessita de consentimento do seu representante legal para realizar um aborto voluntário.