A automobilista que alegadamente provocou o acidente mortal na autoestrada 1, em Leiria, por conduzir em contramão, vai aguardar o inquérito sujeita a termo de identidade e residência, com a carta apreendida e prestação caução, revelou hoje a Comarca.

Segundo informação dada pela juiz-presidente do Tribunal Judicial da Comarca de Leiria, Patrícia Costa, à arguida, ouvida hoje em primeiro interrogatório, foi-lhe imposto termo de identidade e residência, suspensão de atividade de condução, com apreensão da carta de condução e comunicação à entidade administrativa respetiva de imediato, e prestação de caução no valor de 7.500 euros “a prestar por qualquer meio, no prazo de dez dias”.
 

À condutora, de 39 anos, foram imputados os “crimes de homicídio por negligência e condução em estado de embriaguez”, acrescentou a juíza.


O acidente na autoestrada 1 ocorreu cerca das 23:45 de terça-feira ao quilómetro 134,1 no sentido norte-sul, no concelho de Leiria, e provocou a morte de um automobilista, de 42 anos, cuja viatura colidiu com outra que seguia em contramão, disse à agência Lusa fonte da GNR.

Três minutos antes do acidente foi comunicada a existência de um veículo que seguia em contramão, tendo a GNR acionado meios e informado a empresa concessionária da autoestrada, a Brisa, sem que tenha sido possível evitar a colisão, referiu a mesma fonte.
 

“A vítima mortal é o condutor do veículo que seguia na direção norte-sul, cumprindo o sentido legalmente estabelecido, que colidiu com uma viatura que seguia na mesma via, mas em sentido contrário, portanto em contramão”, adiantou este responsável.


A condutora do outro veículo, considerada ferida ligeira, foi transportada para o hospital de Santo André, em Leiria.

A GNR esclareceu ainda que a arguida, de nacionalidade francesa, tem familiares na região.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro de Leiria, ao local acorreram sete veículos e 17 operacionais, dos Bombeiros Voluntários de Pombal, INEM e GNR.