Cerca de dez por cento dos médicos que sexta-feira iniciam o ano comum e a formação da especialidade do internato médico são portugueses licenciados no estrangeiro, segundo informou a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS).

De acordo com este organismo do Ministério da Saúde, vão iniciar sexta-feira o ano comum do internato médico, nas instituições do Serviço Nacional de Saúde (SNS), 1.941 médicos.

Destes médicos, 201 (10,35 por cento) são portugueses licenciados em países terceiros, na sua maioria Espanha (131) e República Checa (48), e 58 têm nacionalidade estrangeira.

Estes clínicos irão ser distribuídos por instituições da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte (685), da ARS do Centro (334), da ARS de Lisboa e Vale do Tejo (667), da ARS do Alentejo (71), da ARS do Algarve (93).

Para unidades de saúde da Região Autónoma da Madeira irão 39 médicos e 52 para a Região Autónoma dos Açores.

No mesmo dia iniciarão o primeiro ano da especialidade do internato médico 1.526 profissionais, dos quais 64 são estrangeiros e 152 (9,9 por cento) são portugueses licenciados em países terceiros, na sua maioria Espanha (77) e República Checa (48).

Estes médicos serão distribuídos por instituições da ARS do Norte (553), da ARS do Centro (244), da ARS de Lisboa e Vale do Tejo (579), da ARS do Alentejo (51), da ARS do Algarve (52), da Região Autónoma da Madeira (24) e da Região Autónoma dos Açores (23).