Três pessoas ficaram feridas com gravidade depois de terem sido agredidas com violência, esta manhã, em Coimbra, na sequência de uma discussão que começou num restaurante McDonald's. Uma das agressões foi filmada e nas imagens violentas é possível ver uma das vítimas no chão a ser pontapeada. 

Ao que TVI apurou, a vítima que surge no vídeo é um jovem de 24 anos e está com prognóstico reservado. Nas imagens é possível ver o jovem a ser pontapeado várias vezes por um dos suspeitos. A agressão foi presenciada por várias pessoas nos prédios adjacentes e que apelaram ao fim da violência. Alguns moradores acabaram mesmo por ir para junto da vítima, o que levou os agressores a abandonarem o local. 

A discussão começou no McDrive, na sequência de um desentendimento violento entre os dois suspeitos das agressões e um funcionário do restaurante, de 57 anos. Na origem do desentendimento esteve a espera de um pedido.

Segundo o funcionário, que falou à TVI, os suspeitos não estavam num sítio adequado "para serem servidos". "Mandei-os avançar. Quando avançaram, eu continuei a fazer o meu serviço e houve um deles que se dirigiu a mim e, sem meias palavras, nem chamada de atenção, partiu para cima de mim, para a agressão", acrescentou.

Foi então que surgiu o jovem que surge nas imagens, acompanhado da namorada e de outra amiga. O jovem tentou defender o funcionário, mas acabou por ser violentamente espancado. A namorada também foi agredida.  

Os três foram transportados para o hospital e o jovem que aparece no vídeo tem prognóstico reservado. 

Ele estava muito, muito ferido, parecia Cristo na cruz. Acho que dentes, se não me engano ,não tinha nenhum e por aí se vê a violência das pancadas. E a cabeça parecia que um enxame de abelhas o tinha mordido, cheio de hematomas e complatamente cheio de sangue", disse o funcionário sobre o jovem de 24 anos. 

Os desacatos aconteceram às 8:00, em dia de feriado, na zona da Solum, uma das mais tranquilas da cidade.  Os vizinhos chamaram a polícia, cujo comando e esquadra distam cerca de quinhentos metros do local das agressões, mas os agressores tiveram tempo para fugir.

A TVI sabe que as autoridades já identificaram os dois agressores, de etnia cigana, mas que ainda não conseguiram localizá-los.