O suspeito de ter assaltado uma carrinha de valores que ficou gravemente ferido ao ser baleado pela polícia na sexta-feira - e que chegou a ser dado como morto - continua internado nos cuidados intensivos do hospital São Francisco Xavier em Lisboa, confirmou a TVI, junto de fonte hospitalar.

Um segundo indivíduo também baleado após a perseguição policial que terminou em Queluz de Baixo está ainda internado no hospital Amadora-Sintra, sendo guardado por elementos da Polícia Judiciária. Foi alvejado num joelho e na barriga, "bala que lhe saiu pelas costas", segundo informação apurada pela TVI. O homem estará, contudo, livre de perigo.

Assalto e perseguição

O assalto a uma carrinha de valores em Lisboa, que culminou sexta-feira num tiroteio em Queluz de Baixo, fez dois feridos e levou à captura de um terceiro elemento.

Dois assaltantes feridos foram levados ao "hospital mais próximo" e um deles, o que foi baleado na cabeça, continua em estado muito grave, segundo confirmou a TVI.

A PSP realizou buscas na sexta-feira à noite num bairro de Carnaxide (Portela), perto da zona comercial do Allegro, no concelho de Oeiras, relacionadas com o assalto à carrinha de transporte de valores, sabe a TVI.

A TVI sabe também que, no bairro da Portela de Carnaxide, várias equipas da Unidade Especial de Polícia estiveram a recolher elementos de prova, ao que tudo indica, na residência de um dos assaltantes detidos. A operação policial estendeu-se por mais de cinco horas em alguns dos pontos-chave da investigação. Vários acessos ao bairro estiveram condicionados por um forte dispositivo policial e sob protestos de alguns dos moradores.

À Lusa, uma fonte oficial da PSP disse que "as buscas foram realizadas no bairro da Portela, em Oeiras, e em Casal de Cambra, Sintra. As ações estão relacionadas com o caso" do assalto a uma carrinha de transporte de valores. A mesma fonte explicou que em causa esteve a “procura de elementos probatórios no âmbito da investigação”.

Três suspeitos detidos, dois deles feridos, e três polícias feridos, é o resultado de uma perseguição policial após um assalto a uma carrinha de valores nesta sexta-feira em Lisboa, segundo a Direção Nacional da PSP.

O terceiro suspeito de envolvimento no assalto acabou também detido pela PSP.

Na sequência do assalto, [os suspeitos] colocaram-se em fuga em viatura roubada e foram intercetados por agentes da PSP na zona de Queluz de Baixo, Oeiras. Aquando da detenção, à qual resistiram, houve necessidade de recurso a arma de fogo pela PSP. Na sequência da intervenção policial, registaram-se cinco feridos, três dos quais polícias, sendo todos encaminhados para tratamento hospitalar. Foi apreendido o produto do roubo e uma arma de fogo”, relata a Direção Nacional da PSP, em comunicado entretanto divulgado.

No momento em que a viatura dos três suspeitos foi intercetada em Queluz de Baixo, concelho de Oeiras, os homens abalroaram a viatura policial, provocando ferimentos em três polícias, que tiveram de ser levados para o hospital.

Os homens terão assaltado uma carrinha de valores na zona de Carnide, em Lisboa, um pouco antes das 15:00, com recurso a uma arma de fogo (revólver), tendo agredido um dos seguranças da carrinha de valores “a soco e pontapé, provocando-lhe diversos ferimentos”, segundo a polícia.

De seguida, conta a Direção Nacional da PSP, colocaram-se em fuga até serem intercetados pela polícia.

A PSP apreendeu a arma utilizada no assalto e recuperou o dinheiro roubado.

A Direção Nacional da PSP acrescenta no comunicado que os suspeitos já tinham antecedentes criminais.

Salienta-se que os indícios recolhidos em sede de investigação realizada pela PSP e tutelada pelo Ministério Público apontam para que grupo detido seja o eventual responsável por assaltos a ATM (caixas multibanco), carrinhas de transporte de valores e estações dos CTT (correios)”, sublinha a Direção Nacional da PSP.

MAI elogia desempenho da PSP

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, afirmou esta sexta-feira que a resposta da PSP ao assalto a uma carrinha de transporte de valores foi “bem-sucedida”, deixando elogios ao empenho das forças de segurança no combate à criminalidade.

Houve uma operação da PSP que foi uma operação bem-sucedida, na medida em que permitiu intercetar um conjunto de elementos, no âmbito daquilo que são medidas de prevenção e repressão aos fenómenos ligados à violência junto dos ATM e veículos de transportes de valores”, disse o ministro, durante a presença numa operação da GNR no Montijo.

Eduardo Cabrita elogiou o empenho das forças de segurança no combate a uma criminalidade que cresceu no último ano.

“Quero saudar o empenho que todas as forças e serviços de segurança, PSP, GNR e PJ, têm vindo a fazer em relação a um tipo de criminalidade que ao longo deste ano teve uma evolução preocupante, mas foram tomadas medidas que estão a produzir efeitos”, defendeu.