Uma mulher terá sido hoje assassinada pelo marido em Quiaios, Figueira da Foz, disse à agência Lusa fonte da GNR. O Grupo de Intervenção e Operações Especiais (GIOE) da GNR levou a cabo uma operação tática e entrou na casa onde se pensava que o suspeito estivesse barricado. O homem não foi encontrado e encontra-se a monte, sendo procurado pelas autoridades. 

A GNR diz que foram encontradas armas na casa, mas não sabe se o suspeito levou alguma quando fugiu. Por isso, alerta a população para a perigosidade do suspeito. 

A GNR pede à população “que comunique, caso aviste o homem, mas que não se aproxime, porque o homem pode estar armado e desconhece-se que tipo de comportamento poderá ter”.

Às 15:30, a GNR dizia aos jornalistas que mantinha “diligências” para encontrar o suspeito, que estará armado e que terá matado a mulher com um único tiro.

A comunicação sobre o incidente foi feita diretamente para o posto da GNR de Quiaios pelo filho do casal.

“Terá sido um homicídio com arma de fogo, uma caçadeira”, disse a mesma fonte.

A vítima tinha 48 anos. De acordo com o Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra, que aludiu à existência de um morto em Quiaios, o alerta foi dado às 07:47.

No local, além da GNR, estiveram os bombeiros voluntários da Figueira da Foz e o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Fuga antes das 7:50

Em comunicado, ao fim da tarde desta terça-feira, a GNR esclarece que "pelas 7:35, através do filho da vítima, teve conhecimento da ocorrência de um homicídio, que vitimou uma mulher de 48 anos, sendo o principal suspeito o seu companheiro de 53 anos".

A GNR, segundo o comunicado, mobilizou "de imediato patrulhas para o local", a saber, a "localidade de Ervedal – Quiaios, no concelho de Figueira da Foz".

Cerca das 7:50, os primeiros militares da GNR chegaram ao local, tendo efetuado um perímetro de segurança afastado e realizado diligências junto da habitação pertencente ao casal, no sentido de localizar o paradeiro do suspeito da prática do crime, os quais foram apoiados com binómios cinotécnicos", esclarece o comunicado.

A GNR garante assim "que o suspeito não abandonou o local depois da chegada dos militares, tendo sido ativada uma equipa de negociadores, dada a possibilidade do suspeito se encontrar no interior da habitação".

A GNR, pelas 15:20, entrou na residência, através de uma intervenção táctica de elementos do Grupo de Intervenção de Operações Especiais, onde verificou que o suspeito não se encontrava no interior da habitação. Apurou-se ainda que as armas pertencentes ao suspeito (duas caçadeiras) encontravam-se na habitação, assim como outras duas propriedade de um familiar", refere o comunicado.

Da informação recolhida, o suspeito não possui histórico de atos violentos, sendo considerado pela vizinhança uma pessoa calma e sem registo de conflitos", diz ainda a GNR, que "tem empenhadas várias patrulhas de diferentes valências, nomeadamente, dos postos territoriais, do destacamento de intervenção e binómios cinotécnicos, no sentido de localizar o suspeito".

Entretanto, foi divulgada a fotografia do suspeito, José Soares, de 53 anos, que continua a monte, sendo que a GNR tem apelado ao mesmo para que se entregue.