Cerca de 43.000 voluntários vão solicitar aos portugueses que contribuam para a tradicional campanha de recolha de alimentos do Banco Alimentar Contra a Fome, que decorre este fim-de-semana e visa apoiar mais de 426 mil pessoas.

Com o mote “Partilhar sabe bem”, a campanha tem como objetivo “levar comida a quem mais precisa e, desta forma, contribuir para inverter o cenário de carência alimentar que continua a afetar muitos cidadãos e famílias”, refere a instituição em comunicado.

O cenário de carência alimentar que afeta ainda muitos cidadãos e famílias continua a ser uma realidade, exigindo por isso a nossa atenção e uma resposta urgente de toda a sociedade civil”, que não pode ficar indiferente a esta situação, afirma a presidente da Federação Portuguesa de Bancos Alimentares contra a Fome, Isabel Jonet.

Isabel Jonet explicou que mote da campanha “Partilhar sabe bem” pretende “criar um espírito de partilha e de entreajuda que permitirá, seguramente, multiplicar o apoio e a ajuda prestada a quem mais necessita, contribuindo de forma efetiva para fazer a diferença na vida de muitas pessoas”.

Os portugueses podem contribuir na campanha doando alimentos nos super e hipermercados, mas também através de vales disponíveis nestes estabelecimento e nos postos de combustíveis entre hoje e 5 de junho e no portal de doação online www.alimentestaideia.net.

Além dos voluntários, associaram-se à campanha empresas e várias entidades, que disponibilizaram equipamentos e serviços, como transportes, publicidade, comunicação, seguros, segurança e alimentação.

Segundo dados da instituição, a campanha reúne 2.630 instituições de solidariedade social parceiras e 21 bancos alimentares de todo o país.

O Banco Alimentar de Lisboa celebra este ano 25 anos de existência, coincidindo com o Ano contra o Desperdício Alimentar, proclamado pela Assembleia da República.

“Ao longo destes anos foi possível concretizar efetivamente uma rede que, com base no mesmo modelo, abrange hoje quase todo o território nacional, lutando diariamente contra o desperdício de bens alimentares para os levar à mesa dos mais necessitados, com o envolvimento de um número crescente de voluntários”, refere a instituição.