O Ministério da Educação e Ciência lamenta o acidente de trabalho ocorrido na sexta-feira na Universidade de Évora e que provocou um morto e dois feridos, indica um comunicado oficial.

«O Secretário de Estado do Ensino Superior contactou já com a Reitora da Universidade de Évora, a quem transmitiu o seu pesar pelo ocorrido. Será aberto um inquérito interno pela instituição», refere ainda o mesmo documento, enviado sexta-feira à noite à agência Lusa.

Uma fonte da universidade disse à Lusa que o acidente ocorreu num espaço que está concessionado a uma empresa desportiva para a prática de padel (modalidade desportiva de raquete), quando uma «grua telescópica tombou», durante «operações de poda das árvores».

Na sequência do acidente, cujo alerta foi dado por volta das 10:45 de sexta-feira, um homem de 53 anos morreu e outros dois, de 32 e 27 anos, ficaram feridos.

A fonte da academia alentejana adiantou que tanto a vítima mortal, como o ferido grave, um homem de 32 anos, pertencem aos serviços técnicos da universidade.

Já o ferido ligeiro, de 27 anos, segundo a responsável da ACT, Ana Machado, «era o manobrador da máquina» e «trabalha para a empresa a quem foi alugada a grua».

Também em declarações à Lusa, fonte do Hospital do Espírito Santo de Évora referiu que o ferido grave, «politraumatizado» e com «prognóstico reservado», foi transferido para o Hospital de São José, em Lisboa.

A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) abriu um inquérito para averiguar as causas do acidente de trabalho e a União de Sindicatos do Distrito de Évora (USDE) exige um «rigoroso apuramento de responsabilidades» do sucedido.