Uma mulher portuguesa morreu no ataque perpetrado na sexta-feira por um homem armado na estância turística de Sousse, na Tunísia, disse à Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário.
 

“A embaixada portuguesa em Tunes acabou de nos confirmar, infelizmente, que há uma cidadã nacional entre as pessoas que foram mortas ontem em Sousse."


Um representante da embaixada portuguesa está, neste momento, a acompanhar a autópsia da vítima.

"Tivemos informações ontem à noite que esta pessoa estaria incontactável", acrescentou José Cesário à TVI24.

O secretário de Estado não conseguiu confirmar se os portugueses que ainda se encontram na Tunísia estão ou não de regresso.
 

"Foram localizados vários portugueses que estavam a passar férias naquele país, mas não tenho indicação se estão a regressar ou não."


Um responsável da estância turística de Sousse, Fernando Castillo, avançou à Lusa que a vítima, de 76 anos, era a única portuguesa hospedada no hotel Riu Imperial Marhaba na altura do ataque.

A vítima foi transportada para o Hospital Charles-Nicolle, em Tunes, na capital tunisina.

O ataque perpetrado por um homem armado contra o hotel Riu Imperial Marhaba, em Port El Kantaoui, na costa oriental, a 140 quilómetros a sul de Tunes, foi esta noite reivindicado nas redes sociais pelo grupo radical autoproclamado Estado Islâmico.

O primeiro-ministro tunisino baixou para 38 o número de vítimas do atentado, precisando que os 39 mortos anteriormente reportados pelo Ministério da Saúde incluíam o atirador, abatido pelas forças de segurança.
 

Maioria é do Reino Unido


O primeiro-ministro David Cameron disse este sábado que o Reino Unido se deve “preparar para que haja um grande número de britânicos entre as vítimas do ataque selvagem na Tunísia”.

Dez das 38 vítimas mortais do atentado de sexta-feira na Tunísia já foram identificadas e são na maioria britânicas, disse à agência France Fress o ministro da Saúde da Tunísia.

"Dez dos 38 cadáveres foram identificados sendo oito britânicos, um belga e um alemão", disse Naoufel Somrani, o diretor dos serviços de urgência do Ministério, sem mencionar pormenores em relação a vítimas francesas, ao contrário do que anunciara na sexta-feira à noite o primeiro-ministro Habib Essid.

Entretanto, centenas de turistas estrangeiros foram retirados este sábado da Tunísia.