Cerca de 80% dos portugueses consideram que os valores do 25 de Abril são pouco ou nada respeitados pelo Poder, de acordo com uma sondagem divulgada quarta-feira.

Segundo o estudo de opinião da Eurosondagem para a Associação 25 de Abril, sobre o «25 de Abril em Portugal», 79,4% dos inquiridos consideram que os valores conotados com o 25 de Abril, nomeadamente a Liberdade, a Democracia, a Paz e a Justiça Social, são pouco ou nada respeitados pelo Poder.

Apenas 15,2% dos inquiridos consideram que estes valores são muito respeitados pelo Poder.

Mais de 67,3% consideram que os portugueses sentem pouco ou nada estes valores, enquanto 29,6% são de opinião que estes valores são muito sentidos pelos portugueses.

No entanto, mais de 80% dos inquiridos consideram que o 25 de Abril mudou a vida dos portugueses para melhor, contra os 8,7% que julgam que não provocou alterações significativas e os 5,8% que pensam que as coisas mudaram para pior.

Independentemente do momento de crise atual, mais de 63% defendem que a generalidade dos portugueses vive melhor hoje do que há 40 anos, 21% que vivem pior e 7,5% que vivem sem alterações significativas.

O estudo revelou ainda que mais de 91% dos portugueses julgam que o 25 de Abril foi muito importante e 45,7% que a revolução teve também uma importância internacional.

Neste estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem entre 31 de março e 11 de Abril de 2014 foram validadas 2.025 entrevistas realizadas telefonicamente junto de um universo de população com 18 anos ou mais, residente em Portugal continental e Regiões Autónomas, e habitando em lares com telefone da rede fixa.

A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo.

A amostra foi estratificada por Região (Norte - 19,8%; A.M. do Porto - 13,8%; Centro - 25,4%; A.M. de Lisboa ¿ 24,7%; Sul - 9,6%; Região Autónoma dos Açores - 3,3%, e, Região Autónoma da Madeira ¿ 3,4%), num total de 2.025 entrevistas validadas.

Os entrevistados dividiram-se em 50,6% do sexo feminino e 49,4% do sexo masculino.

Em relação à faixa etária, 18,8% tinham entre 15 a 30 anos, 49,9% dos 31 aos 59 e 31,3% com 60 anos ou mais.

O erro máximo da Amostra é de 2,18%, para um grau de probabilidade de 95,0%.