O designer gráfico e diretor de arte Ricardo Mealha morreu este domingo de manhã, aos 47 anos, vítima de doença prolongada, disse à Lusa um amigo.

Nascido em Lisboa a 22 de outubro de 1968, tinha-lhe sido diagnosticado, "há mais de um ano, um tumor cerebral", acrescentou a mesma fonte.

Ricardo Mealha foi responsável pela imagem gráfica do Ministério da Cultura e de diversos organismos e serviços a ele ligados. Entre os vários projetos que desenvolveu durante a sua carreira, foi designer e diretor criativo da cadeia de 14 hotéis Tivoli, da Atlantis Crystal, das lojas Area, do Museu do Design e da Moda, do Museu da Presidência da República e da Casa das Histórias Paula Rego.

Em 2001, o designer criou o atelier de design RMAC Brand Design, o qual vendeu cinco anos depois ao grupo BBDO Portugal.

Desde 1997, Ricardo Mealha foi distinguido com mais de 80 prémios em concursos nacionais e internacionais, onde se inclui o Gold Award Winner e 12 nomeações no International Forum Design, Alemanha.

A diretora da Bienal ExperimentaDesign, Guta Moura Guedes, lamentou a morte do designer, sublinhando que o autor "marcou o panorama da criatividade e da cultura em Portugal".

"É uma perda enorme. Perdemos uma pessoa que marcou o panorama da criatividade e da cultura em Portugal”.


O trabalho de Mealha “contaminou as empresas e instituições portuguesas e estrangeiras", salientou Guta Moura Guedes, recordando as várias colaborações do designer com a ExperimentaDesign.

O voto de pesar foi expresso durante a apresentação da programação da edição deste ano da Bienal, numa conferência de imprensa que contou com a presença dos vereadores da cultura das câmaras de Lisboa, do Porto e de Matosinhos, parceiros da iniciativa que começa a 12 de novembro.