Foram publicadas, esta sexta-feira, as listas de professores contratados para no ano letivo 2017/2018, informou o Ministério da Educação, em comunicado enviado às redações.

As listas estão disponíveis para consulta no portal da Direção-Geral da Administração Escolar.

A publicação acontece uma semana antes do que em anos anteriores, o que permite que os "docentes disponham de mais tempo entre o momento em que conhecem a colocação e a sua apresentação na respetiva escola."

O Ministério da Educação esclarece que os professores contratados ocuparam 2.300 dos 14.000 horários anuais.

No ano em que vincularam mais de três mil docentes, que passaram de contratados para efetivos, os horários indicados pelas escolas foram, na sua grande maioria, preenchidos por estes professores. Dos quase 14.000 horários anuais e completos pedidos pelas escolas, mais de 2.300 foram ocupados por professores contratados e os restantes por professores do quadro. Para tal contribuiu significativamente a vinculação extraordinária promovida pelo Ministério da Educação", lê-se no comunicado.

E acrescenta que "os horários incompletos e as demais necessidades que possam entretanto surgir serão preenchidos na primeira reserva de recrutamento, que ocorrerá ainda antes do início do ano letivo."

O arranque do ano letivo decorre entre 8 e 13 de setembro.

Vinculação "ficou aquém"

A Federação Nacional dos Professores (FENPROF) congratulou-se hoje por, na contratação inicial de docentes, terem sido contratados professores para preenchimento de horários completos, mas diz que a vinculação permitida pelo Governo “ficou aquém” das necessidades das escolas.

A propósito da divulgação das listas de colocação de professores e educadores, a FENPROF, numa primeira apreciação, “regista positivamente” o facto de só terem sido contratados, nesta fase, “docentes para preenchimento de horários completos, bem como o facto de as listas terem saído a uma semana da apresentação dos docentes nas escolas”.

Mas, adianta em comunicado, sendo certo que 3.400 professores vincularam nos Quadros de zona Pedagógica e que o Ministério da Educação (ME) ainda contratou cerca de 2.300 professores para preenchimento de horários anuais e completos, “a vinculação que se verificou este ano ficou aquém do que seria necessário”.

Comparando o total de 5.700 contratados com a contratação inicial de 2016 só para horários anuais e completos (4.673), diz a FENPROF que “há mesmo um aumento na ordem dos 1.000 professores colocados, o que reforça a ideia de o ME ter subavaliado as necessidades das escolas para efeitos de vinculação de professores”.

Já o Sindicato Independente de Professores e Educadores congratulou-se, num comunicado divulgado ao fim da tarde, com a publicação antecipada das listas “mas estranha que apenas tenham sido colocados 2.300 docentes” contratados.

O sindicato, diz no comunicado, mantém a expectativa de que sejam preenchidos, antes do início do ano letivo, os restantes horários anuais e completos a concurso.