Os enfermeiros decidiram suspender a greve de zelo e o protesto contra o não pagamento do trabalho especializado, devido ao compromisso do Governo de iniciar negociações sobre matérias como horários de trabalho e remunerações, indicou fonte sindical.

Os enfermeiros estavam em greve de zelo desde maio, sendo que os especialistas em saúde materna e obstétrica não prestavam cuidados diferenciados desde o início de julho, em protesto contra a falta de pagamento da especialização.

Uma segunda greve, de cinco dias, abrangendo todos os enfermeiros, começava em 31 de julho, mas foi também desconvocada.

Em declarações à Lusa, um dos dirigentes da Federação Nacional de Sindicatos de Enfermeiros, José Azevedo, justificou a decisão com o "acordo de princípio" assumido esta segunda-feira pelo Ministério da Saúde, após uma reunião, para "começar a negociação" de matérias como promoções e progressão da carreira, horários de trabalho e tabela salarial.

O porta-voz do movimento Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstétrica, Bruno Reis, que participou na reunião enquanto observador, adiantou que os profissionais que representa retomam o trabalho dado o compromisso de "calendarização negocial" de questões como a categoria de enfermeiro especialista e a correspondente "revalorização salarial".

Ordem saúda abertura negocial do Governo

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros saudou o início das negociações entre Governo e sindicatos em matérias laborais como a revisão da carreira, e que levou à suspensão de protestos.

Em declarações à Lusa, Ana Rita Cavaco considerou positiva "a abertura" por parte do Ministério da Saúde para "o início da negociação", reclamado há um ano.

A bastonária espera que, entre outras matérias, haja "uma revisão séria da carreira", aguardada há vários anos.

Vamos estar atentos", afirmou.