O Gabinete de Apoio à Vítima (GAV) de Lisboa apoiou, no ano passado, 2.008 vítimas diretas que foram alvo de 4.601 crimes, a maioria de violência doméstica, segundo dados divulgados pela APAV.

Das 2.008 vítimas que reportaram crimes ao GAV de Lisboa em 2014, 84,8% eram mulheres com idades entre os 25 e os 54 anos (36,2%), adiantam os dados publicados no ‘site’ da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima.

No total, o GAV de Lisboa registou, em 2014, 4.129 processos de apoio com atendimentos, a maioria (79,7) relativa a crimes de violência doméstica, seguindo-se os crimes contra pessoas (14,2%), os crimes rodoviários (2,6%) e os crimes contra o património (2,4%).

A APAV ressalva que os dados relativos à violência doméstica incluem, além dos crimes assinalados no código de processo penal (maus-tratos físicos e psíquicos), outros delitos em contacto doméstico, como violação de domicílio ou perturbação da vida privada, devassa da vida privada, violação de correspondência ou de telecomunicações, violência sexual, furto; etc.

Em 48,6% dos processos apoiados (2.008) foi constatada a ocorrência de crime.

Segundo a APAV, 32% das vítimas que beneficiaram dos serviços da associação eram casadas, 19,2% solteiras, 36,7% viviam numa família nuclear com filhos e 28% tinham uma relação de conjugalidade com o agressor.

Os dados referem também que 35,2% das vítimas estavam empregados, 15,9% desempregadas e 24,9% tinham o ensino superior.

As grandes zonas urbanas concentram o maior número de vítimas que recorrem aos serviços do GAV de Lisboa, residindo a maioria em Lisboa (18,9%) e em Sintra (6,5%).

Foram registados 2.049 autores de crime, 80,9% dos quais eram homens, com idades entre os 25 e os 54 anos (19,8%), casados (31,3%) e empregados em 27,9% dos casos.

Em 73,4% dos casos assinalados a vitimação ocorrida foi de tipo continuado. A duração perpetua-se, sobretudo, num espaço temporal entre os dois e os seis anos (14,5%), mas em 6% dos casos durava entre os 12 e 20 anos e em 5% das situações há mais de 20 anos.

O principal local do crime assinalado foi a residência comum (entre vítima e autor do crime) com 45,9% das sinalizações.

A APAV refere ainda que 36% das denúncias foram formalizadas junto das entidades policiais

O GAV de Lisboa tem disponíveis serviços de apoio genérico, emocional, jurídico, psicológico e social.

Em 2014 o apoio genérico (como seja o prestar informações sobre outras instituições, o reencaminhamento de correspondência, o apoio emocional) destacou-se com um total de 2.034 registos, seguindo o apoio emocional (1.461 registos).

Já dentro do apoio especializado destacou-se o apoio jurídico com 2.044 casos, seguindo-se o apoio psicológico com 225 casos.

A APAV refere que «o trabalho com as entidades policiais e com a segurança social revelou-se crucial no apoio à vítima com registos na ordem dos 27,7% para os órgãos de polícia criminal e 11,7% para a segurança social».

A maioria dos utentes (74,7%) contactou a APAV pelo telefone, mas em 13,9% dos casos esse contacto foi presencial e 11% das situações foi por e-mail.

Em 63,7% dos casos o contacto foi feito pela vítima. Os órgãos de polícia criminal encaminharam cerca de 7,2% utentes para os serviços da APAV.