O vento forte que se tem feito sentir esta segunda-feira na zona do aeroporto da Madeira obrigou ao cancelamento de dois voos, ainda que as abertas tenham permitido o regresso de aeronaves que tinham divergido para outros locais.

O voo TAP 1671 proveniente de Lisboa, que deveria ter aterrado da parte da manhã, acabou por ser cancelado pela companhia, depois de ter divergido para a origem, de acordo com fonte do aeroporto da Madeira.

Um avião charter da Monarch, proveniente de Birmingham, e que foi divergido para o aeroporto do Porto Santo, «irá permanecer naquela ilha até terça-feira, não se sabendo ainda a hora de regresso», informou a mesma fonte.

Durante a manhã foram, pelo menos, sete as aeronaves que tiveram dificuldades em aterrar no aeroporto da Madeira devido aos ventos, mas «as abertas» têm permitido o retorno dos aviões.

No Porto Santo está, neste momento apenas o avião da Monarch, enquanto em Tenerife, nas ilhas Canárias, se encontra ainda um voo proveniente de Helsínquia, da Thomas Cook.

A segunda-feira é um dia intenso em termos de movimentos de aterragens e descolagens no aeroporto da Madeira, com a região a receber muitos charters.

A Região Autónoma da Madeira está esta segunda-feira sob aviso amarelo devido à previsão de agitação marítima, com ondas de norte com 4 a 5 metros e vento forte com rajadas da ordem dos 70 quilómetros/hora.

O aviso amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, é emitido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) sempre que existe risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Também a Capitania do Porto do Funchal emitiu um aviso face à força do vento, que vai soprar entre os 51 e os 62 quilómetros por hora, de qualquer direção.

A autoridade marítima regional recomenda aos proprietários ou armadores das embarcações que tomem precauções, para que estas permaneçam nos portos de abrigo.

A empresa Águas e Resíduos da Madeira informou, entretanto, que devido a uma derrocada na estrada regional 103, em Santana (norte da ilha), o abastecimento de água encontra-se condicionado, podendo originar falhas ou cortes, «devendo a reposição do abastecimento ocorrer até ao final do dia 24 de março».

No local já está uma equipa da Direção Regional de Estradas, que procede «à limpeza do material depositado na via, que atingiu a conduta de abastecimento».

Contactado pela agência Lusa, o Serviço Regional de Proteção Civil da Madeira informou que, apesar das condições meteorológicas, não há registo de situações anómalas.