A Polícia Judiciária deteve esta manhã três suspeitos de um homicídio na A16, em fevereiro do ano passado, confirmou a TVI junto de fonte da PJ.

Depois destas detenções, fica assim totalmente capturado o grupo que assaltou uma carrinha de valores na localidade de Lourel e que, durante a fuga, assassinou um empresário em plena A16.

O comunicado da Polícia Judiciária indica que os seis homens são suspeitos dos crimes de associação criminosa, homicídio qualificado, roubo qualificado a carrinha de transporte de valores, falsificação de documentos e detenção de arma proibida.

Dois membros do grupo já tinham sido detidos pela PJ no decorrer de "outros inquéritos" e outro já tinha sido capturado em Inglaterra, ao abrigo de um mandado de captura internacional, para onde tinha fugido logo após o homicídio.

"Os elementos integrantes desta associação criminosa são detentores de antecedentes criminais, tendo alguns deles já cumprido longas penas de prisão pelo cometimento de crimes violentos", informa a PJ.

Os seis suspeitos hoje detidos pela Unidade Nacional de Contraterrorismo vão ser presentes a tribunal amanhã.

"Hoje cumprimos mais de uma dezena de buscas e de facto foram todos detidos na zona de Lisboa (...) São homens a rondar a casa dos 30 anos e muitos deles com vasta experiência na prática deste tipo de crimes violentos", disse aos jornalistas Luís Neves, diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da PJ.

A vítima mortal tinha 49 anos e deixou duas filhas menores, de seis e 11 anos. No momento do incidente, João Carlos Silva ia com a esposa e a filha mais nova no carro, quando o grupo efetuou uma tentativa de carjacking.