O aumento da sinistralidade rodoviária grave em 2017 - mais de 500 pessoas morreram nas estradas portuguesas - está “exclusivamente concentrado” nos motociclos, fez notar esta quinta-feira a Prevenção Rodoviária Portuguesa.

A circulação de motociclos nas estradas portuguesas aumentou no ano passado, essencialmente graças ao bom tempo.

O aumento da sinistralidade grave, mortos e feridos grave, está todo exclusivamente concentrado nos motociclos, não houve aumento nos outros tipos de utentes”.

O presidente da PRP, José Miguel Trigoso, comentava assim à Lusa os dados provisórios divulgados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), que dão conta de um total de 509 pessoas mortas nas estradas portuguesas no ano passado, mais 64 do que em 2016 (12,5%). O número de acidentes e feridos graves também subiu.

“Todo este aumento é devido ao aumento dos mortos e feridos graves dos motociclos”, precisou José Miguel Trigoso. “Aumentou muito” a circulação de motos em 2017 “por razões da economia, mobilidade e do bom tempo”.

Existem dois tipos de pessoas que circulam com motociclos, segundo a PRP:

  • aquelas que utilizam este tipo de transporte todos os dias, conhecidos por motards
  • aquelas que usam o automóvel ou motociclo consoante a situação

Estes, que são em número superior aos motards, tendem a utilizar mais o motociclo nas viagens regulares. Como esteve bom tempo praticamente durante o ano todo de 2017, aumentou “seguramente muito o volume de circulação neste tipo de veículos, levando a um aumento global do risco e provavelmente a um aumento da sinistralidade grave”.

Taxa de sinistralidade "brutalmente elevada" dentro das localidades

Ressalvando que os números de 2017 são provisórios e apenas existem dados mais completos até outubro, José Miguel Trigoso afirmou que os outros utentes das vias não aumentaram, mas também não diminuíram, o que “não é positivo”.

Em comparação com os restantes países da União Europeia, Portugal tem uma taxa de sinistralidade relativamente baixa fora das localidades, mas “brutalmente elevada” dentro das localidades.

Por isso, defendeu que “a grande prioridade” é o combate da sinistralidade dentro das localidades, até porque é nestes locais que existe maior número de acidentes com motociclos.

Urgência em reduzir a sinistralidade rodoviária

Em dezembro, o ministro da Administração Interna anunciou que o Governo quer já no início deste ano definir objetivos para reduzir a sinistralidade rodoviária e refletir sobre qual a intervenção necessária nos atropelamentos, álcool e acidentes com motociclos, os três principais fatores de risco.

O presidente da PRP considerou que estas medidas devem ser tomadas rapidamente e defendeu uma organização do tráfego e das infraestruturas dentro das localidades, nomeadamente:

  • a obrigatoriedade da realização de auditorias de segurança rodoviária a todos os projetos
  • inspeções às condições de segurança das vias
  • um manual de boas práticas de aplicação obrigatória sobre o tipo de projetos das vias em meio urbano
  • uma política de gestão da velocidade.

A agência Lusa contactou a ANSR, que se escusou fazer qualquer leitura sobre o aumento da sinistralidade rodoviária em 2017, alegando que os dados são provisórios.

Na quarta-feira, a comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas aprovou por unanimidade um requerimento do PSD para a audição do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, sobre a evolução da sinistralidade rodoviária em 2017.