1 – Rafael, o pequeno rapper


Aos 13 anos, não tem boas notas a português, mas passa todos os intervalos a escrever. Escreve poemas, que depois canta em forma de rap. Na sala de aula é um aluno difícil, desatento, muitas vezes indisciplinado. Leva para a escola muitos dos problemas que vive todos os dias no bairro da Cruz Vermelha em Alcabideche, onde alguns rapazes pouco mais velhos já foram baleados.

O mau comportamento não vem sem culpa. Rafa, como é tratado carinhosamente na escola, sente que está a falhar ao maior compromisso: o que tem com a mãe.

Clique na imagem acima para ver a reportagem "Desculpa & Obrigado", da jornalista Sofia Barciela

A mãe, Ana Paula, trabalha como empregada de limpeza. Com pouco mais de um ordenado mínimo sustenta seis filhos e não deixa faltar comida na panela, como canta Rafa...
 

2 – Owen, o menino de sorriso fácil


Conhecemos a dupla Owen e Haatchi ainda em 2014. Mas, este ano, o menino britânico que apaixonou Portugal voltou a ensinar-nos a alegria de viver e a importância das amizades improváveis.

Em outubro de 2015, um ano depois de o conhecermos através da reportagem da TVI, Owen esteve em Portugal, para participar numa maratona em Lisboa.

Owen e Haatchi, a dupla que enterneceu os portugueses


Depois de gorada a hipótese de alinhar na maratona de Londres de 2014, devido a uma lesão no ombro da madrasta, surgiu a hipótese de percorrer os mesmos 42,195 quilómetros, mas em Lisboa, cumprindo o sonho da criança britânica de Basingstoke, que sofre de uma doença genética rara chamada de síndrome de Schwartz e Jampel.
 

3 – Rafael, Inês, Joana e Bruno e luta contra a falta de apoios


O heroísmo das histórias destes meninos é partilhada com os pais que não desistem deles.

Mês após mês, viram indeferidos pedidos de subsídios para crianças e jovens com problemas psicológicos.

Subsídios que estão previstos na lei e que servem para pagar terapias como psicologia, psicomotricidade, terapia da fala ou terapia ocupacional. 

Sem grandes justificações, o Estado está a negar ou a suspender o financiamento das terapias e por isso, centenas de crianças estão a abandonar os tratamentos. As mais pobres, com certeza. As famílias não conseguem suportar os custos das consultas. Revoltadas, acusam o Estado de tratar os filhos como cidadãos de segunda! 
 

4 – Os “meninos invisíveis” que dormem no Metro de Lisboa


Todos os anos, são retiradas das ruas de Lisboa cerca de 80 crianças e jovens em risco. A maioria não vai à escola, são analfabetos, sobrevivem da distribuição de comida de instituições e ainda há quem durma em casas abandonadas. Uma realidade dura e desconhecida para muitos portugueses.  


Clique na imagem acima para ver a reportagem "Meninos Invisíveis", da jornalista Ana Leal

 

5 – Mohammed, o menino que lutou contra o mar de Samos


Tem apenas 12 anos e muitos quilómetros nas pernas. Saiu da Síria com a família e é uma espécie de guia nesta viagem rumo à Europa, já que é o único que fala inglês.

A primeira parte da viagem de Mohammed e da família foi feita de barco e quase terminou de forma trágica ao atingir terra firme, junto á ilha grega de Samos. O barco virou-se e caíram todos ao mar. O pior momento que recorda desta jornada.

Mas Mohammed, ainda assim, tem sorte. A leva de refugiados com sede de chegar à Europa está a deixar muitas crianças sem pais. Um morrem. Outros perdem os filhos na confusão.

O drama já obrigou a Cruz Vermelha a enviar alertas e os próprios refugiados criaram páginas no Facebook para reunir famílias separadas pela fuga da fome e da guerra.


 

6 – Aylan Kurdi, o menino que acordou o mundo para o drama dos refugiados


A imagem de um menino de dois anos, sem vida, numa praia da Turquia, no início de setembro, chocou o mundo e acordou consciências para o drama dos refugiados.

A imagem de Aylan Kurdi acordou consciências


A criança síria foi uma das vítimas do naufrágio que tirou a vida a pelo menos 12 refugiados que tentavam chegar à ilha grega de Kos. Com ele, morreram também a mãe e o irmão.

Depois dele, muitas crianças morreram ainda na tentativa desesperada de chegar à Europa. Mas pelo menos, depois dele, o mundo não mais assobiou para o lado à passagem de refugiados e migrantes.
 

7 – O menino desconhecido que apelou ao fim da guerra na Síria


"Vocês simplesmente façam parar a guerra e nós já não vamos querer vir para a Europa". As palavras de um menino para um polícia húngaro registadas pela Al Jazeera correram mundo.

"Por favor, ajudem os sírios. Os sírios precisam de ajuda agora. Acabem simplesmente com a guerra e nós não vamos querer vir para a Europa. Parem a guerra na Síria”, reitera.

 

8 – As crianças afegãs que fazem dos destroços brinquedos


A guerra levou-lhes tudo, menos a vontade de brincar. As crianças destas fotografias mostram como a imaginação derruba qualquer fronteira e suprime qualquer ausência.

Clique na imagem acima e veja a galeria de imagens que prova que a imaginação é mesmo o forte das crianças

 

9 - Jack Swanson deu tudo quanto tinha


Jack, um menino norte-americano de sete anos, decidiu doar o dinheiro que tinha juntado no porquinho-mealheiro a uma mesquita no Texas, nos Estados Unidos da América, que foi vandalizada na sequência dos atentados de Paris. 

"São 19 euros, mas para mim e para a comunidade as moedas valem como 20 milhões. Isto dá-me esperança”, disse um membro de um centro islâmico no Texas.

 

10 - Rahim Woods, um Sansão generoso


Um rapaz britânico, de 11 anos, com o cabelo até aos joelhos, cortou-o pela primeira vez e doou-o a crianças com cancro, a fazer quimioterapia. 

Quase a entrar para o sétimo ano, Rahim Woods, um rapaz de Buckinghamshire, em Inglaterra, decidiu cortar pela primeira vez o cabelo. Desde criança que se recusava a ir ao barbeiro, mas o incentivo dos pais e a possibilidade de ajudar outros meninos da sua idade, convenceram-no a aceitar a mudança radical.

Rahim Woods cortou o cabelo por um motivo muito nobre



11 – Sienna, a menina de cinco anos que salvou a mãe


Uma menina de cinco anos salvou a vida da mãe com uma chamada de emergência. Katie Adderley, de 32 anos, desmaiou no chão da cozinha, enquanto estava sozinha em casa com os dois filhos pequenos: Sienna, de cinco anos, e Riley, de dois. 
  
Assustada, mas calma, a pequena Sienna ligou para os serviços de emergência britânicos e conseguiu descrever os sintomas apresentados pela mãe e a localização da residência. 

Sienna, a menina que salvou a mãe


O caso aconteceu em Rugby, Warwickshire, a cerca de uma hora e meia a Norte de Londres. 

 

12 - Ethan, para quem as palavras resolvem tudo


Ethan Ferrrier, um menino de 4 anos, escreveu um bilhete para os «homens maus» que lhe roubaram a cadela que já fazia parte da família, que vive no condado de Surrey, em Inglaterra. O gesto tornou-se viral nas redes sociais.