A greve às primeiras horas da componente letiva de cada professor já foi desconvocada e, na terça-feira, os sindicatos poderão também levantar a greve parcial à componente não letiva do horário dos docentes.

A Federação Nacional de Educação (FNE) tinha convocado uma greve à primeira hora de trabalho entre os dias 13 e 27 de novembro como forma de protesto à proposta do próximo Orçamento do Estado que não previa a contagem do tempo de serviço congelado ao longo dos últimos nove anos, quatro meses e dois dias.

No entanto, na madrugada de sábado, depois de uma maratona negocial de dez horas, Governo e sindicatos da educação chegaram a um compromisso: o tempo de serviço congelado será considerado para efeitos de progressão e o processo deverá estar concluído até ao final da próxima legislatura.

Tendo em conta os resultados conseguidos, o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva, anunciou o levantamento da greve aos primeiros tempos/horas da componente letiva de cada docente.

Neste momento, FNE e Federação Nacional dos Professores (Fenprof) mantêm apenas a greve parcial à componente não letiva do horário dos docentes, que poderá ser desconvocada na terça-feira no final da reunião no Ministério da Educação, anunciou o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, em declarações à Lusa.

Na agenda do encontro de terça-feira estão o acesso dos professores aos 5.º e 7.º escalões, a discussão de concursos assim como a calendarização da discussão dos horários de trabalho que permitirá ter efeitos no próximo ano letivo.

“Amanhã (terça-feira) poderemos levantar a greve à componente não letiva”, concluiu Mário Nogueira.