Duas estradas estão cortadas desde as 21:00 desta quarta-feira em Lisboa, junto à Rotunda do Relógio e na saída da CRIL para Algés, devido a desabamentos ou abatimentos do alcatrão provocados pela chuva intensa, segundo a PSP.

Contactada pela agência Lusa, fonte do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa indicou que alguns veículos caíram num buraco na saída da Segunda Circular para a Rotunda do Relógio, no sentido Sacavém/Benfica.

Não se registaram feridos, apenas prejuízos nas viaturas que caíram naquele buraco surgido com o abatimento do solo.

A PSP fechou essa saída e só irá reabri-la na quinta-feira.

Devido a um desabamento de terras ocorrido também às 21:00 na saída da CRIL para a Estrada Nacional 117, no sentido Algés/Odivelas, essa passagem foi encerrada e a polícia desconhece quando será reaberta.

Também o túnel de Benfica esteve cortado ao trânsito devido às chuvas.

Chuvas intensas mantêm estradas cortadas no distrito de Santarém

A chuva persistente que tem caído nas últimas horas no distrito de Santarém mantém, ao início da madrugada de quinta-feira, o corte total ou parcial da circulação rodoviária em diversas estradas na região, disse fonte da GNR.

Contactada pela agência Lusa, fonte do comando distrital da GNR de Santarém disse que, às 23.40 de quarta-feira, continuavam três estradas com trânsito condicionado, todas devido a submersão e à formação de lençóis de água derivadas da chuva intensa e persistente que se abateu na região nas últimas horas.

«Uma estrada em Coruche, a EN 251, que esteve interrompida temporariamente à circulação rodoviária devido a acidente, já reabriu, assim como a Estrada Municipal (EM) 1348, entre Alcanhões e Santarém, que esteve cortada ao trânsito devido a submersão da via», disse a mesma fonte da GNR.

O comando distrital da GNR disse ainda à Lusa que, devido ao acumular das águas, a EM 570, em Riachos, Torres Novas, continua cortada ao trânsito nos dois sentidos, e sem alternativa de recurso.

A Estrada Nacional (EN) 3-2, entre Vale de Santarém e Muge, está com trânsito condicionado devido ao acumular das águas pluviais, e a EM 368, por sua vez, entre Tapada e Alpiarça, também mantém o corte parcial na via, devido aos inúmeros lençóis de água. A alternativa de circulação passa pela EN 118.

A circulação também se está a processar de modo condicionado na EN 368-1, entre Alpiarça e Vale de Cavalos.

Contactado pela agência Lusa, o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém disse, por sua vez, que na estrada em Carvalhos de Figueiredo, Tomar, que esteve submersa e intransitável até ao início da noite, a circulação já se processa normalmente.