A Direção-Geral de Saúde admite que os bebés após os seis meses possam receber a vacina contra o sarampo, desde que com prescrição médica. O mesmo é válido para a segunda dose, que pode ser agora dada antes dos cinco anos.

Em comunicado emitido esta quinta-feira, a DGS salienta, no entanto, que o médico deve ter em conta "a situação clínica e epidemiológica em cada momento" e prescrever sobretudo em casos de exposição à doença.

Aquela prescrição deve ser devidamente ponderada pelo médico tendo em consideração a situação clínica e epidemiológica em cada momento e em particular em situações de pós-exposição."

A prescrição médica deve ser feita "em suporte de papel, como previsto, em situações especiais, no Programa Nacional de Vacinação".

Nos casos em que o bebé for vacinado entre os seis e os 12 meses, este terá que o ser novamente quando completar um ano, desde que seja respeitado "o intervalo mínimo de quatro semanas entre doses."

Na mesma orientação, a DGS lembra que "a vacinação de acordo com o Programa Nacional de Vacinação continua a ser a melhor medida de prevenção contra o sarampo: primeira dose aos 12 meses e segunda dose aos cinco anos de idade".

Leia o comunicado na íntegra:

Orientação da DGS by Catarina Pereira on Scribd

Já esta quarta-feira, Francisco George, diretor-geral de Saúde, tinha deixado claro que a vacinação antes dos prazos recomendados era uma possibilidade. "São muitas já as crinaças que fizeram a vacina antes dos seis meses e foram submetidas a tratamentos com imunoglobulina humana", disse Francisco George, numa conferência de imprensa em que participou também o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.