O Ministério Público (MP) pediu, esta sexta-feira, o fim da prisão preventiva para o ex-motorista de José Sócrates e que esta seja substituída por prisão domiciliária.

De acordo com o que a TVI apurou, o juiz Carlos Alexandre já pediu aos serviços de vigilância eletrónica da Direção-Geral de Reinserção social para verificar se a habitação do arguido tem condições para prisão domiciliária, pelo que a mudança da medida de coação deverá estar para breve.

O advogado Ricardo Candeias disse à Lusa congratular-se com a decisão do MP e com a alteração da medida de coação ao seu cliente pelo juiz.

«Estou feliz e satisfeito pelo facto de João Perna poder, muito possivelmente, ainda passar o Natal em casa», disse.

A mudança da medida de coação está agora dependente do relatório social obrigatório, a cargo da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, que irá fazer uma visita a casa do arguido, para ver se esta tem condições para instalar o dispositivo eletrónico.

João Perna esteve, na quinta-feira, a ser ouvido no Departamento Central de Investigação e Ação Penal.  

Na altura, o advogado do motorista de José Sócrates manifestou «profunda convicção» que, depois de João Perna ter prestado esclarecimentos, o Ministério Público iria propor uma medida de coação «mais adequada» e menos gravosa que a prisão preventiva. 

O defensor de João Perna disse «acreditar profundamente» que depois de o seu cliente ter respondido a todas as questões com «frontalidade» e «naturalidade», o MP deveria considerar a «situação» do arguido, que está em prisão preventiva, de modo a propor «num período muito curto» de tempo uma medida «mais adequada» para a sua situação. 

Ricardo Candeias frisou que João Perna «está disposto e continuará disposto» a prestar os esclarecimentos que forem necessários aos investigadores para que o «mal-entendido» relativamente ao motorista de Sócrates seja «esclarecido». 

João Perna está em prisão preventiva, desde o passado dia 24 de novembro, por indícios de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e posse de arma proibida.