A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) negou que o número de mortos dos incêndios de domingo tenha aumentado para 44, mantendo o anterior balanço de 42 vítimas mortais, disse a adjunta do comando nacional Patrícia Gaspar.

A responsável adiantou que, através do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), foram contactados todos os hospitais onde estão internados feridos dos incêndios, não existindo registo de novas mortes.

Fonte da Câmara de Oliveira do Hospital revelou, esta quarta-feira, que duas pessoas feridas com gravidade nos incêndios de domingo morreram de madrugada nos Hospitais de Coimbra, informação agora desmentida.

Pelo menos 19 mortes registaram-se no distrito de Coimbra, nove das quais em Oliveira do Hospital, três em Tábua, três em Arganil, três em Penacova e um em Pampilhosa da Serra, sendo esta última vítima mortal a que estava desaparecida. Foi encontrada queimada em casa.

No distrito de Viseu, registaram-se 18 vítimas mortais, designadamente em Vouzela (oito), Santa Comba Dão (cinco), Nelas (uma), Carregal do Sal (uma), Tondela (duas) e Oliveira de Frades (uma).

Segundo a Proteção Civil, outras duas pessoas morreram na Guarda e uma na Sertã (distrito de Castelo Branco).

Outra das vítimas mortais morreu na terça-feira no Hospital de Coimbra, mas não foi divulgada a origem.