A jovem de 17 anos que morreu, na madrugada desta quarta-feira, vítima de Sarampo não estava vacinada, confirmou o Ministro da Saúde.

A indicação que temos é que a criança não estava protegida do ponto de vista imunitário pela vacina", afirmou Adalberto Campos Fernandes em conferência de imprensa.

O ministro da Saúde afirmou que não são feitos juizos de valor quanto às opções de cada família em relação às vacinas - uma vez que não são obrigatórias -, mas apelou aos pais que confiem na vacinação, "uma prática segura".

Adalbero Campos Fernandes não admite que esteja a ser considerada a obrigatoriedade da vacinação em Portugal, destacando a taxa de sucesso no país 90 a 95%, sem medidas de "autoritarismo social".

 

"Nunca teremos uma epidemia em larga escala"

Na mesma conferência de imprensa, o diretor-geral da Saúde afirmou que as crianças que não-vacinadas em Portugal são uma "minoria", apontando para uma estimativa de 10 mil a 15 mil crianças.

Francisco George confirmou que neste momento existem 21 casos de sarampo em Portugal, um número muito inferior aos de outros países, "como Itália, onde existem 1.500 casos".

Não vamos ter um grande problema, mas temos um que não pode ser ignorado", afirmou.

O diretor-geral da Saúde quis tranquilizar a população em geral, explicando que as elevadas taxas de vacinação em Portugal não permitem que a doença se propague como aconteceu noutros países europeus.

O responsável acrescentou que todas as pessoas com mais de 40 anos têm anticorpos desenvolvidos pelo contacto com a doença, enquanto as que têm idade inferior foram protegidas pela vacina. 

Francisco George explicou, ainda, que o vírus do sarampo existe apenas em doentes e só se propaga se encontrar "território favorável". As pessoas vacinadas podem, ainda assim, apresentar uma reação ligeira em caso de contacto com a doença.

O diretor-geral da Saúde deixou claro que existem doses suficientes da vacina para todas as crianças até aos cinco anos de idade que não tenham recebido a dose contra o sarampo, além de 200 mil outras "extra" para outros casos.

Não é preciso uma correria", afirmou Francisco George.

O ministro da Saúde disse que não existem novos casos de sarampo desde segunda-feira e acredita que o surto entrou numa fase de estabilização.